Adotar um animal é mesmo burocrático?

Já tentou adotar e se deparou com um formulário de perguntas e ficou desanimado? Ei, não se desaponte com o processo de adoção de alguns protetores.

Vou te contar como é o processo até que o animal esteja pronto para adoção e tenho certeza que no final do texto, você não vai mais se importar em responder algumas perguntinhas. 😉

Antes do animal estar prontinho para receber todo carinho e amor que você tem para dar, ele passa por alguns processos. O protetor tem papel fundamental nessa caminhada, que separei em 6 passos para ficar bem simples de você compreender, são eles:


Passo 1- Resgate

Nem sempre os protetores doam filhotinhos ou mesmo animais vindos de ninhada própria (entenda ninhada própria como fêmeas que são resgatadas prenhas). Na maioria das vezes os bichinhos são resgatados de situações bem ruins. Muitas vezes até o resgate é difícil devido ao local que o animal se encontra. E nem vou entrar no quesito de resgates que acontecem de lares com maus-tratos. É super complicado conseguir a tutela. Em alguns casos é necessário contratar um especialista para retirar o animal de um local de risco para ele e para o humano que esta realizando o resgate.


Passo 2- Cuidados

Posso afirmar que em quase 100% dos resgates o animal está doente, então além da questão financeira, há o cansaço físico e emocional tanto do animal, quanto do protetor. Muitas vezes os bichinhos chegam feridos, precisam de medicamentos com hora certinha, às vezes cirurgia, entre outras coisas. E claro, castração, vacinas e vermífugo que são os cuidados padrão para a saúde de cães e gatos.

Como os abrigos, ONGs e protetores costumam ter muitos animais, os recém-chegados precisam ficar separados dos outros animais para não passarem doeças contagiosas ou mesmo pulgas e carrapatos, bem comuns em animais que chegam da rua. Isso dá um trabalhão, acreditem!


Passo 3- Socialização

Devido a todo sofrimento, é comum que o animal precise de um tempo para se adaptar com o humano. Alguns ficam ariscos, bravos, outros só obedecem ao protetor que o resgatou e não podem ser doados assim. Então, eles realizam todo um trabalho para que o animal possa ser recebido em um novo lar e possa ser feliz com seu humano de estimação.

Em alguns casos, eles precisam acionar adestradores, que normalmente realizam trabalho voluntário para que esses bichinhos possam ter um lar e serem felizes.


Passo 4- Doação

A única forma que os protetores têm de garantir que o animal que ele resgatou, cuidou e protegeu por tanto tempo (às vezes o animal fica anos no abrigo, há um apego normal) vai continuar sendo bem cuidado, é através desses questionários e entrevistas. Pode até ser um pouquinho chato, mas já pensou se ele entrega para uma pessoa ruim que pode maltratar ou se mudar e deixar o bichinho para trás? É um cuidado que eles precisam ter para garantir que nada foi em vão, tanto do trabalho que ele teve, quanto para que o animal não sofra de novo.
Tenha só um pouquinho de paciência e não desista da adoção. Eu tenho 3 adotados aqui e sou muito mais feliz com eles em minha vida! 

Além do questionário, é comum uma entrevista pessoalmente ou por telefone, visita presencial na casa (para garantir que a pessoa não mentiu sobre ter tela na janela e não ter, por exemplo) e entrega do animal.

Passo 5- Taxa de Ação

Até o animal estar pronto para a adoção e ir viver feliz em seu novo lar, o protetor tem um gasto considerável com o bichinho. Imagina ter mais de cem animais? Agora imagina medicação, castração, vacina, ração (algumas especiais), sachê (alguns não conseguem comer ração seca), jornal (eles precisam comprar), areia e caixa de areia (no caso dos gatos) entre outras despesas que podem durar dias ou anos.

E depoois de tudo isso nem podem sair no final de semana ou mesmo durante a semana: é só do trabalho para casa. Isso porque no fundo, ninguém quer ter essa responsabilidade de cuidar de tantos animais, então normalmente eles ficam um pouco isolados mesmo. Os animais precisam mais do que cuidados físicos, precisam de carinho, amor e atenção.

No final de semana, a maioria ainda vai a eventos de adoção para aumentar as chances do bichinho ter um lar e ele poder continuar realizando novos resgates. Isso também tem um custo do transporte.

Acredite, quando um protetor pede uma taxa de adoção ele não vai usar para viajar ou sair para o happy our com os amigos.

Se ainda assim, você não se sentir confortável com a taxa, pesquise sobre o trabalho da pessoa. Pergunte a amigos, busque sobre o abrigo no Google, veja os comentários que as pessoas deixam nas redes sociais deles e busque referência. A gente sabe que a maldade existe, mas não podemos culpar todos por uma pessoa má intencionada, correto?

Importante: taxa de adoção não é venda!
Algumas pessoas se aproveitam tanto do trabalho sério que os protetores realizam, quanto das pessoas que reconhecem esse trabalho (e adotam) e cobram pelos animais.

Normalmente essas cobranças estão atreladas a animais de raça, que acredite, podem sofrer tanto quando os SRD das ruas. A única forma de a gente acabar com o comércio cruel, é não comprar. E a forma de acabar com o abandono é castrar.

E fique atento, muitas vezes, pela internet, o vendedor (porque não podemos chamá-lo de cuidador) apresenta um animal que nem existe e algumas pessoas caem no golpe pagando por um animal que nunca será entregue.

Passo 6- Acompanhamento

Depois de todo esse processo, o protetor sempre faz um trabalho de acompanhamento. O acompanhamento consiste em te ajudar na adaptação do animal na casa nova e com os novos responsáveis.

Você já mudou de casa? Tudo fica meio confuso nos primeiros dias, não é? Nossas coisas dentro das caixas, a gente não acha nada, não conhece o bairro, não sabe onde tem o melhor restaurante ou sorvete! O processo de descoberta pode ser divertido ou sofrido.

Com os animais os sentimentos não mudam muito. O que ele sabe é que sofreu muito, mas uma pessoa cuidou dele, amou e agora o esta deixando. Ele ainda não sabe como a vida dele vai ser mais feliz no novo lar. Ele vai ser mais mimado e paparicado do que jamais foi. É pra isso que serve o acompanhamento, o protetor vai ter ajudar durante todo esse processo.

Aliás, esse processo de adaptação varia muito. Há animais que nem se recordam da outra vida na primeira semana, alguns precisam de duas semanas, um mês ou até um pouquinho mais. Depende muito do histórico de vida dele.

Ei, no final o trabalho do protetor não é tão glamuroso quanto parece, não é? Mas é lindo! É nobre! É o que muda nosso mundo!

Nós do Amigo Não se Compra respeitamos e admiramos demais o trabalho incrível que essas pessoas realizam. Para vocês, todo o nosso aplauso! 👏👏

E para quem adota, bem, o que posso dizer é que são pessoas de alma nobre e que sabem reconhecer o amor puro e verdadeiro! 😻

Deixo aqui minha eterna gratidão por quem resgata, cuida e por quem adota!

Até a próxima! 🥳

Leave a Reply

Next ArticleNotícias que nos fazem acreditar em um futuro melhor