Bella: uma surpresa no capô do carro, parte III

Nós acompanhamos aqui a história da Bella, uma gatinha linda mas bem arisca, devido a todo sofrimento que passou antes de ser adotada pelo nosso amigo Marco Mandarino e sua esposa.

Ao longo dos anos, com amor e carinho ela foi mudando, mesmo assim, quem tem um gatinho arisco sabe como é difícil para eles demonstrarem carinho, ainda que o sintam em seus corações.

Hoje vamos contar a parte III dessa linda história real e trazemos ainda mais uma surpresa, Pepita, a nova integrante da casa.

Vou já de início deixá-los com o Marco, o pai da Bella, para que ele mesmo conte mais esse lindo episódio da Bella, Nina sua fiel escudeira e a mais nova integrante, Pepita.

“Agora, completados 3 anos a Bella não parece mais aquele gato assustado e arisco. Ela engordou bem, mas até que seu peso vem se mantendo, sempre por volta dos 5,4Kgs. Já habituou com a nossa rotina. Não foge mais do nosso sobrinho. Pelo contrário, quando ele dorme em nosso apartamento depois de brincar ela simplesmente monta guarda ao lado dele, velando seu sono. Se dá bem com a Nina, dormem juntas e dividem muitas coisas juntas, inclusive o colo. Mas alguma coisa a fez mudar ainda mais, e para melhor. A inclusão de mais um membro na família.

Em agosto, minha esposa se apaixonou por uma filhotinha que estava sem lar e vivia provisoriamente nos fundos de uma loja sendo cuidada por uma protetora. Foi amor à primeira vista. Muito dócil e quietinha e fazendo aquela cara de “me leva”. O nome já veio junto: Pepita… e ficou assim, resolvemos não mudar. As informações diziam que ela havia sido resgatada em janeiro de 2015, foi para um lar mas não tinha dado certo e ainda era filhote. Pulamos toda aquela fase da apresentação entre os gatos, simplesmente não havia como fazer isso por falta de espaço. A verdade é que dias antes, nós já havíamos estado na loja e pego a Pepita no colo, portanto, quando chegamos em casa nem é preciso dizer que a Nina e a Bella ficaram atentas ao cheiro novo… Dias depois, lá fomos nós buscar o mais novo membro da família.

Pepita: 1ª foto oficial

Pepita: 1ª foto oficial

De início é claro que ambas não chegaram nem perto do novo ser que invadia o apartamento e vasculhava todos os cantos, cheirando tudo como novidade. Ela não se escondeu e nem teve medo. Mas observamos que a Pepita simplesmente não miava para nada e que ela sempre ia metendo a pata… Ah! Pra que fez isso? Justo com a Bella. Já foi logo tomando uma patada bem dada. Com a Nina, já foi mais fácil.
Uma semana depois a Pepita começou a apresentar as fezes muito moles. Levamos ao veterinário para ver o que poderia ser e descobrimos que era por conta da troca repentina de ração, apenas isso. De resto, tudo bem. Exceto por um detalhe: Na hora de colher sangue para exames ela não miou. O que escutamos foi um barulho estranho… Bingo: A pepita não mia porque é muda. Não teve as cordas vocais removidas (pedimos pra checar), mas não mia. Também não ronrona. Por isso que ela tem a mania de ir com a pata quando se relaciona com as outras gatas. Isso a Bella não entendeu, mas a Nina sim. Temos que ficar sempre atentos para não trancá-la em algum lugar.

Nina e Pepita: um relacionamento de mãe e filha.

Nina e Pepita: um relacionamento de mãe e filha.

O fato é que já se passaram 4 meses e as três se dão bem. A Bella não gosta muito não, tem ciúmes… Mas até brincam de pega-pega. A Pepita adotou a Nina e não se desgrudam nunca. Podemos dizer que a adaptação ainda não acabou. A Bella por exemplo está mais carinhosa do que nunca. Não morde mais, não se agita com facilidade, deixa ser manipulada numa boa sem aqueles shows de horrores de antes. Pula no colo sempre que tem chance. Sempre se enroscando e dando cabeçadinhas. Porém uma mania voltou, sempre que saio pela manhã ela se põe a miar. A Nina, por incrível que pareça não teve nenhuma mudança de comportamento, acredito que pelo fato dela ter convivido sempre com outros cachorros e gatos. Então para ela, é tranquilo.

Pepita, Nina e Bella: dividindo o sofá

Pepita, Nina e Bella: dividindo o sofá

Quanto a Pepita, ela é dócil e como todo filhote muito brincalhona também. Só fica no colo se estivermos de pé… se sentarmos ela não fica de jeito algum. Não morde, não põe as unhas na gente. De início ela não ficava no mesmo ambiente que as outras gatas, agora já ficam todas juntas e até dividem o sofá. Vamos ver daqui pra frente como as coisas ocorrem. Agora, chega de gatos, três é o nosso limite.”

Então é isso, Bella continua a nos surpreender mostrando que amor e carinho podem mudar tudo. Apesar de Pepita ter adotado Nina como sua mãe, Bella tem aceitado bem a nova anfitriã e hoje o Marco e sua esposa vivem super felizes com suas três filhas felinas.

Vamos aguardar as cenas do próximo capítulo, pois apesar de terem dito que não querem mais nenhum peludinho, quem sabe Nina, Bella e Pepita ainda não ganhem um irmãozinho?(Risos)

Para quem perdeu as partes I e II dessa história, podem acompanhar aqui e aqui.

Espero que tenham gostado do post de hoje!

Você também tem uma história de um peludinho arisco e depois de algum tempo ficou mais dócil? Deixe sua história nos comentários! Além de nós amarmos essas lindas histórias de amor, servem como incentivo e ajudam muitas outras pessoas.

Semana que vem a gente volta com mais dicas e cuidados para vocês, até lá! 🐱🐱🐱

 Banner Amigo adotar

Leave a Reply

4 Comentários

  1. Pingback: Bella: uma surpresa no capô do carro (parte final)

  2. Pingback: Bella: uma surpresa no capô do carro, parte IV

Next Article10 Dicas sobre como apresentar um gato a outro