Eutanásia animal, você sabe a hora certa de dizer sim?

Muitas vezes queremos que nossos peludinhos sejam eternos, pois nos trazem tanta alegria e é tão bom tê-los por perto que a vontade é essa mesma. Só que eternidade não existe para nada e ninguém e eles infelizmente envelhecem como mostramos nesse post e/ou adoecem. É a lei para todo ser vivo: nascemos, crescemos, procriamos ou não, envelhecemos e morremos. 

Existe um momento muito delicado nesse processo que vamos falar hoje, que é a eutanásia animal.
Segundo o Dicionário Online Aurélio, eutanásia é:

  • Morte sem dor nem sofrimento
  • Teoria que defende o direito a uma morte sem dor nem sofrimento a doentes incuráveis
  • Ação que põe em prática essa teoria

Mas como nada nessa nessa vida é tão simples como contam os livros, gostaria que conversássemos sobre os vários aspectos desse processo.

O que é a eutanásia?

dog

Eutanásia é quando a vida do animal é interrompida de forma indolor e assistida por um médico veterinário.

Primeiro o animal é anestesiado e sedado, depois que ele esta completamente inconsciente ou dormindo como costumam dizer de forma popular,  é aplicada uma injeção na veia com medicação que faz o coração parar. Só é confirmado o óbito quando o médico veterinário constata que não há mais sinais vitais e isso inclui sinal neurológico e cardiovascular.

Essa é a forma mais utilizada nas clínicas hoje em dia. Todo o processo é muito rápido e dura cerca de 30 minutos.

Quando o processo deve ser autorizado?

A eutanásia serve para pôr fim em um processo extremamente dolorido onde não existam mais recursos e chance de sobrevivência do animal. Falando de forma mais simples, é aquele momento em que nem os medicamentos aliviam mais a dor e todos os recursos de cura já foram esgotados.

Eu sei muito bem que é um momento extremamente difícil mas é preciso se colocar no lugar do animal. Se fosse você ali sofrendo, tomando um monte de medicamentos sem chances de sobreviver, por quanto tempo gostaria de ficar assim?

As vezes somos tão egoístas e dependentes que não nos colocamos no lugar do outro e por esse motivo alongamos uma dor desnecessária e cruel. A morte para uns é o processo mais cruel da vida mas para outros pode ser um momento de alívio da dor.

De acordo com a Lei, a Resolução N° 1000, de 11 de maio de 2012, a realização da eutanásia em animais está restrita a situações em que não há possibilidade de outras medidas alternativas, devendo apenas ser indicada pelo médico veterinário, quando:

I – o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos;

II – o animal constituir ameaça à saúde pública;

III – o animal constituir risco à fauna nativa ou ao meio ambiente;

IV – o animal for objeto de atividades científicas, devidamente aprovadas por uma Comissão de Ética para o Uso de Animais – CEUA;

V – o tratamento representar custos incompatíveis com a atividade produtiva a que o animal se destina ou com os recursos financeiros do proprietário.

Esta última situação divide opiniões médicas e normalmente é negada, quanto aos recursos financeiros do proprietários forem insuficientes para o tratamento. Em alguns Estados existem os Hospitais Veterinários Gratuitos, a maioria das Faculdades de Veterinária também oferecem tratamento a preço popular ou gratuitos, fora as ONGs e alguns protetores que muitas vezes se sensibilizam com determinados casos e ajudam no tratamento.

Quando o processo é negado pelo médico veterinário

  • Casos onde o animal por algum motivo precisa realizar alguma amputação não dá direito ao proprietário de pedir a eutanásia, pois o animal ainda pode ter uma boa qualidade de vida. Uma prova do que estou falando é uma matéria que fizemos onde mostramos como os animais que perderam algum movimento podem viver bem usando cadeirinhas. Você pode conferir nossa matéria aqui.
  • Casos onde há tratamento não são autorizados pelos médicos ainda que solicitado pelo proprietário.
  • Agressividade animal não justifica a eutanásia pois existem métodos de controle desse tipo de comportamento.
  • Solicitação por motivo de mudança e o dono não poder levar o animal também não são considerados.
  • Animais idosos também será negado se o motivo for apenas a idade.

Depoimento

Certa vez eu estava com minha gatinha na clínica e tinha uma senhorinha segurando um embrulhinho no colo, era uma poodle. Em conversa ela me disse que a cachorrinha dela tinha 16 anos, não latia mais, era surda, cega, fazia as necessidades numa frauda, não andava mais e nem comia ou bebia água sozinha. Fora isso, a cadelinha era saudável.  Fiquei pensando se fosse minha, o que teria feito? Afinal, são 16 anos de convivência, mas ao mesmo tempo aquela cachorrinha estava em estado vegetativo. Eu sinceramente não gostaria de viver assim, mas a decisão nunca é fácil mesmo.

Eu já passei por isso com um gatinho que adotei da rua. Ele chegou em minha casa com esporotricose, quem acompanha nosso blog já conhece a história dele, pra quem é novo, pode conferir aqui tudo sobre a esporotricose, enfim, ele passou por maus bocados com essa doença e depois de se recuperar ficou doente de novo e foi diagnosticado com leucemia. Ele já estava com a doença em estágio bastante avançado e vivia internado para tomar medicação na veia. Em casa tínhamos que dar mais um monte de comprimidos, até que um dia o médico falou pra gente: “Olha, no estágio em que ele se encontra ele não vai aguentar nem a primeira sessão de quimioterapia. Ele esta passando mais tempo internado do que em casa, já pensaram em interromper o sofrimento dele?”

Eu estava com minha mãe e aquelas palavras vieram como uma facada em nossos corações. A resposta foi tão simples: Não, nunca pensamos nisso. Não autorizamos, pois no final das contas não queríamos ser as responsáveis pela morte do nosso amigo que sempre foi tão guerreiro e forte.

O veterinário começou a dar medicamentos para aliviar a dor e ainda assim ele sofria muito. Em menos de uma semana após essa conversa com ele, ele nos chamou e falou novamente sobre o assunto e acabamos autorizando.

Foi horrível, obviamente nos sentimos culpados mas ao mesmo tempo sabemos que ele não estava mais aguentando e não haviam mais recursos. Não quisemos assistir o processo, mas eu sinto que de certa forma fiz o certo pois ele estava sofrendo muito e não tinha mais chances.

Hoje o que guardo dele são momentos de suas artes, sua força e coragem de lutar fortemente por sua vida e do carinho que sempre nos deu.

Isso é uma coisa que vou guardar sempre no meu coração. Eu sei que tem pessoas que vão ler esse post e vão falar que já passaram inúmeras vezes por um triste momento como esse e sei também que vão lembrar com carinho de cada peludinho que já passaram por sua vida.

Sejam responsáveis, procurem clínicas e médicos veterinários sérios. Busquem mais de uma opinião e vão saber o momento certo de dizer não e sim.

A escolha de um médico veterinário

É muito importante estar atento sobre quem esta cuidando do seu peludinho. Em todas as profissões existem os bons e maus profissionais. Antes de começar o tratamento do seu amigo pegue referências com amigos sobre profissionais e clínicas. A internet também é ótima para isso, busque a opinião das pessoas em sites.

Digo isso porque uma das funções do veterinário é esclarecer sobre a doença. Ele não pode fazer nada sem sua autorização, mas em alguns lugares acabam fazendo.

Ele precisa te deixar informado sobre todo o processo da doença. Vai te explicar o que é, como funciona o tratamento, quais medicamentos e exames estão disponíveis no mercado, tempo de sobrevida, qualidade de vida que o animal terá e conforme a doença for avançando ele tem por obrigação te deixar informado sobre o estágio que estão.

No momento em que não houver mais opções ele vai falar com você sobre a eutanásia, mas vai caber a você decidir pelo sim ou não.

Já ouvi alguns casos onde o médico foi dando falsas esperanças sobre uma cura que não existia. A pessoa gastou muito e o animal sofreu o que não precisava.

Eu sei que é complicado, mas se você esta passando por uma situação assim não existe forma mais fácil de decidir o que fazer do que se colocando no lugar do outro. As vezes precisamos ser um pouco menos egoísta e permitir que o outro vá.

Isso não quer dizer que você deixou de amar, mas que ama tanto que permite que seu peludinho não sofra mais e tenha paz.

Eles não falam nossa língua mas nós sabemos exatamente o que eles sentem, por isso digo, sejam honestos e permitam que tenham uma partida digna e menos dolorida possível.

Na dúvida do que fazer, deixe seu coração decidir mas não esqueça: se coloque no lugar e tome a decisão que gostaria que tomassem por você.

E você, já teve que tomar uma decisão difícil como essa? Conta pra gente como foi!

Espero que tenham gostado do nosso post de hoje!

Semana que vem a gente volta com mais dicas e cuidados para vocês, até lá! 😇

 

Fontes:

  • http://www.dicionariodoaurelio.com/eutanasia
  • http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/pecao/2013/04/26/
    interna_pecao,436331/o-dilema-de-fazer-ou-nao-a-eutanasia-do-animal-de-estimacao.shtml
  • http://idmedpet.com.br/bem-estar-caes-e-gatos/eutanasia-nos-pets-um-topico-de-discussao.html

 Banner Amigo adotar

 

Leave a Reply

26 Comentários

  1. Pingback: Meu pet morreu e agora?

  2. Marta

    Já! Foi horrível! E agora me vejo em situação semelhante. Meu amigo Paco de 15 anos,está com os dois rins prestes a parar totalmente de funcionar. O veterinário que o assiste deu 2% de chances em caso de internação e decidi trazê-lo pra casa
    para passar seus últimos dias comigo. Só que também falou que vai passar por um processo muito doloroso é que quando chegar essa hora, para levá-lo e fazer eutanásia.
    Estou vivendo um pesadelo horroroso, sem me desgrudar dele. Foi dado 3 dias de vida, hoje é o segundo, estou angustiada e com muito medo.

    • Amanda

      Estou passando hoje por isso, problema renal também … como foi o último dia dele ?

      • Fabiana Xavier

        Olá Amanda,

        O seu peludinho é um gatinho? Houve alguma mudança no quadro? Como você está?

    • Fabiana Xavier

      Puxa Marta,

      Apesar de não poder mensurar a dor que está sentindo, eu sinto muito!
      Nessas horas é que a gente se pergunta por que eles vivem tão pouco, né? São tão companheiros e nos acostumamos a tê-los por perto em tantos momentos da nossa vida que se torna até difícil seguir em frente. São membros da família, nossos filhos peludos.

      O que posso dizer nesse momento tão difícil é, pense que agora ele não terá mais dor e estará brincando num céu só de cãezinhos, cheio de ossinhos free. Tenho certeza que ele partiu sabendo que foi muito amado e que você fez tudo o que estava ao seu alcance para que esse momento fosse o menos dolorido possível.

      Meus sentimentos. :(

    • Fabio

      Muito triste os rins do meu poodle de 18 anos parou e ele estava sofrendo muito, o sono já não estava dando resultado e quarta-feira dia 11/10/17 foi feita a eutanásia pra livrar do sofrimento mas a sensação de culpa é muito grande e a saudade e maior ainda.

  3. Fabi

    Minha gata está internada e hoje pela manhã o veterinário nos informou sobre a FELV e o PIF. Disse que ela pode ter uma sobrevida a base de corticoide e outros remédios, que não é garantido, que precisa de atenção e precisa ficar longe dos meus outros gatos.
    Uma gata, que se acostumou a andar pelo quintal inteiro, adora a varanda, vai ter que ficar enclausurada dentro de um espaço minúsculo, entediantes pelos momentos que ainda restam?!!
    Eu saio as 07h00 da manhã e volto as 23h00 pra casa, ela vai ficar sozinha o dia inteiro, ontem eu vi o quanto ela estava sofrendo, ela não dormiu a noite inteira, só respirava forte e ficava intacta, imagino que pela dor. Ontem levei ela para o veterinário manter internada e sabendo da possibilidade, já tinha praticamente certeza do que eu queria pra ela, eu queria que ela ficasse em paz, sem dor, tranquila. De ontem para hoje, ela levou medicação, visitando ela vi ela miando, pedindo carinho, querendo ir para casa… Parece que resta uma esperança, não sei mais o que fazer, sinto que estou abandonando, não quero que ela ache isso.
    Não quero ver ela sofrer, não quero deixar ela ir, eu queria que fosse diferente.
    Estou dividida!! :C

    • Fabiana Xavier

      Oi, Fabi!

      Essa é uma decisão muito difícil mesmo. Siga seu coração e faça o que você acha que vai ser melhor pra ela. Amar, é também saber deixar ir.
      Converse com o veterinário, veja as chances, talvez consultar outro para confirmar.
      Sei o que está passando, pois já estivesse nessa situação. Não é fácil mesmo. Dói. É triste, mas você precisa se preparar para se despedir.
      Tenho certeza que sua gatinha sabe que você a ama e faz tudo para que ela fique bem ou faça uma passagem sem dor.

      Nos mande notícias.
      Um abraço!

  4. ELIZETE APARECIDA GOMES

    ESTOU PASSANDO POR ESTA SITUAÇÃO. TENHO UM CACHORRO SRD, FOI CONSTATADO SINDROME DA CAUDA EQUINA, UM PROBLEMA NA ULTIMA VERTEBRA DA COLUNA. ELE COMEÇOU TRATAMENTO COM PREDNISONA, A MELHORA FOI IMEDIATA. MAS COM 10 DIAS, ELE COMEÇOU A CAIR, E CONVULSIONAR. FICOU 8 DIAS INTERNADO. ESTA EM TRATAMENTO, MAS ESTA CEGO, TUDO DEPENDE DE NOS, NAO ANDA, ESTA TODO MACHUCADO PORQUE SE BATE PARA LEVANTAR. ESTOU DESESPERADA POIS JA GASTAMOS MUITO COM ELE, TRATANDO COM ESPECIALISTA E NAO TEMOS MAIS CONDIÇÕES DE ASSUMIR MAIS DIVIDAS. AINDA SE TIVESSE CHANCE DE TER ALGUMA QUALIDADE DE VIDA, MAS NAO HA GARANTIA. ELE ESTA SOFRENDO. MEU CORAÇÃO ESTA DILACERADO.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Elizete!

      Passei por uma situação semelhante a sua. Adotei um gatinho da rua e o chamei de Romeo. Fiquei com ele apenas por 15 dias. Ele era o gato mais carinhosos que já vi na vida! Quando o levei ao veterinário para tomar as vacinas, ver castração e fazer os exames comuns, foi constatado que ele tinha câncer em estágio avançado e poderia contaminar minha outra gatinha.
      Foi muito difícil também. Eu já o amava muito e tinhámos muitos momentos bons juntos. Mas sabe, Elizabete, amar é também saber dizer adeus. Eu tenho certeza que ele sabe que você o ama muito e fez tudo o que podia.
      Infelizmente ele precisa ir, mas é o destino de todos nós. Faz parte do nosso ciclo.
      Força, querida! Se permita chorar, ficar triste depois as lembranças não vão mais doer, apenas deixar saudade.

      Espero que fique bem.
      Um abraço!

  5. Thais

    Estou passando por um momento muito difícil e doloroso :( minha gata que tanto amor, que esta comigo e meus avos a 16 anos, sempre nossa companhia nos momentos bons e ruins, foi diagnosticada com neoplasia maligna no olho, e infelizmente pela idade e pelo estágio o veterinário nos indicou optar por fazer ela parar de sofrer e ir embora… Apesar da ferida estar bem feia, ela ainda me espera chegar da faculdade, deita na minha barriga e ainda ronrona e pede carinho. Estou me sentindo uma assassina, é muito difícil tomar a decisão o que devo fazer??

    • Olá, Thais!

      Entendo sua dor, mas infelizmete não posso te ajudar com essa decisão. O único conselho que posso te dar nesse momento tão dolorido é: siga seu coração e faça o que você acredita que será melhor pra ela.

      Um forte abraço! <3

  6. Pri

    Oi gente.
    Tenho um Cocker de 17 anos, ele está com disfunção cognitiva (Alzheimer) há quase um ano. Comecei um tratamento paliativo com sedativos, e clonazepam, pois ele fica extremamente agitado, chora muito e gira em torno de si mesmo muitas vezes sem os remédios.
    Fiz os exames no final do ano passado e apesar da idade, os órgãos estavam funcionando muito bem. Por isso resolvi continuar o tratamento.
    Mas chegou uma hora que até mesmo os remédios estão deixando de fazer o efeito que faziam. A dose hj é altíssima. As vezes até acho que ele não vai levantar mais, e que chegou a hora de fazer a eutanásia, mas ele nos surpreende e mesmo caindo, ele tenta andar e fazer o que fazia antes. Estou com uma dúvida muito grande, não sei se chegou a hora. Não sei se tenho que esperar, não sei se faço hoje. É uma situação de escolha que não desejo a ninguém.
    E pra complicar mais, tenho outro cachorra que está bem desgastada com toda situação…Mas que tbm ama ele… Difícil…

    • Oi, Pri!

      É uma decisão muito difícil mesmo. Difícil e dolorida! Mas infelizmente ninguém pode tomar essa decisão por você. O único conselhor que posso dar nesse momento tão difícil é: siga seu coração e faça o que você achar melhor para ele.
      Pergunte-se: vale a pena fazê-lo sofrer mais? Qual o nível de dor dele? Qual a opinião do médico veterinário? É possível amenizar a dor? Há chances de cura ou tratamentos alternativos que possam melhorar o quadro?
      Acho que são questões que podem te ajudar na decisão, mas independente disso, siga seu coração.

      Um forte abraço!

    • Cris

      Oi Pri, estou na mesma situação que vc. Tenho uma cocker de 17 anos que começou apresentar os sintomas de SDC no fim do ano passado, e só tem piorado gradativamente apesar de todas as medicações que ela toma (Revimax). Ela agora começou a vocalizar muito, chorando até quando anda (geralmenente girando em torno dela mesmo) e caindo muito pq ela tem artrose avançada. Troca a noite pelo dia, não pode mais ficar um minuto sequer desasssistida pq cai toda hora e chora para que alguém a levante. Temos que deixá-la diariamente em um day care para que não fique sozinha em casa. Tem sido bastante duro para todos, sempre alguém tem que ficar com ela a hora que for. Nem dormir direito temos conseguido mais.
      O que vc decidiu fazer? Estamos com a mesma dúvida, é muito doloroso pensar em fazer uma eutanásia, até porque ela não tem nenhum problema de saúde mais grave, só está surda e quase cega, mas os exames estão ótimos apesar da idade. Mas não sei até quando podemos aguentar essa situação, e também não sei se é justo com ela pq percebe-se que ela não tem mais qualidade de vida. Está sempre desorientada, inquieta, sem saber o que fazer. Díficil.

  7. Cristiane

    Adotei um gato de rua, coloquei nome de RENATO.Depois de alguns meses ele começou a salivar muito, levei ao vet, foi diagnosticado com a leucemia felina, então iniciamos o tratamento…foram se meses e não tinha melhora, ai começou a aparecer feridas pelo corpo e não cicatrisavam.O veterinario falou sobre a eutanasia. mas naõ tive coragem..contuei. com remedios pomadas injeçãoes e ele vivia com o corpo enfaixado, para não juntar bichos, eu fazia cutativos todos os dias.Mas qd foi segunda feira rompeu um vazinho de sangue das feridas..aí na terça tomei a decisaõ, minha filha o levou..Agora eu estou me sentindo culpada e choro tda hora pq parece que o vejo em todos os cantos da casa, dói muito, la no fundo da alma..espero que tudo isso um dia passe..Eu o amava demais e sinto muitas saudades

    • Olá, Cristiane!

      Eu passei por situação semelhante a sua. Eu sei que é dolorido e lembro do Romeo até hoje e já faz mais de 2 anos.
      Mas sinceramente, eu acredito que você fez o melhor. Essa doença não tem cura, só tratamento, mas chegou a um estágio que seria só dor até o fim. Nesses casos não há o que fazer. Alongar a dor dele só ia fazê-lo sofrer mais.
      Acho que você deu a ele chance de um descanso digno.

      Um dia, toda essa dor vai passar e você terá apenas as boas lembranças.

      Um abraço!

      • cristiane

        Muito obrigado pelas palavras de conforto…bjs

  8. Diana

    Estou passando por isso no momento… Meu cachorrinho está com leucemia, e por conta disso seus órgãos estão parando…. Ele tem 12 anos e não anda e nem come sozinho mais. Só o olhinho que mexe… Estou péssima… Queria muito que meu “bebê” ficasse mais um pouquinho comigo!!! Já levei em dois veterinários e os dois me indicaram a eutanásia, pois ele não tem condições de sobreviver a uma quimioterapia. :( meu coração parece que não vai suportar….

    • Olá, Diana!

      Eu já passei por uma situação assim, mas a dor de cada um, é também única. Eu posso imaginar sua dor, mas não consigo mensurar o que você sente.
      Infelizmente, um dia eles se vão e deixam um buraco em nosso peito. Mas acredite em mim, um dia essa dor dará lugar a saudade e lembranças dos bons tempos que passaram juntos.
      Que seu coração receba o conforto que você precisa! _/\_

      Faça parte do nosso grupo no Facebook e troque experiência com pessoas que também já passaram por uma situação semelhante a sua: https://www.facebook.com/groups/amigonaosecompra/

      Um forte abraço!

  9. Cláudia

    Alguém pode me ajudar? Hoje recebi a notícia q minha gata está com um tumor no coração e outro no fígado. Tratamento só terapia alternativa com ozônio. Ela praticamente não se alimenta ( só comida pastosa na boca) e não bebe água. To totalmente perdida

    • Fabiana Xavier

      Olá, Cláudia!

      Qual a opinião do médico a respeito do caso dela? Você chegou a ir em um segundo especialista? Eu sei que esses momentos são mesmo difíceis, mas eu costumo me colocar no lugar do outro, tipo, se fosse comigo e não tivesse cura e eu estivesse sentindo dor, o que gostaria que fizessem?
      É muito difícil dizer adeus, mas infelizmente esse momento vai chegar um dia. Se eu pudesse te dar um conselho seria: torne o menos dolorido possível. Eu tenho certeza que ela sabe que você a ama e o quanto esse momento também está sendo difícil para você. Ela também vai ter amar por saber que ficou ao lado dela até o fim.

      Desejo que seu coração seja preenchido de conforto e amor. _/\_

  10. Adriana

    Faz dois meses que descobrimos IRC no meu shih tzu de 3 anos apenas. Ficou internado por vezes, tentamos fluidoterapia, tudo, mas ele não respondia. Um mês atrás consegui que ele passasse com os mlehores veterinários da USP. Atendimento excepcional. Mas infelizmente ele não responde ao tratamento. Hoje está magro, só come e bebe através de seringas. Os veterinários ficaram muito decepcionados, mas o prognóstico é muito ruim. Não se tem mais o que fazer…só esperar….Por enquanto toma remedios, não sente dor, mas não o deixarei sofrer ainda mais. Todo esforço que fiz foi muito cansativo pra ele. Eu o queria saudável, mas essa doença é devastadora. Que Deus me permita ter forças quando chegar a hora da decisão. Estou sem chão.

    • Olá, Adriana!

      Sinto muito por todo esse sofrimento. A gente sabe que eles, assim como nós, não são eternos. Mas o fato é que nunca estaremos preparados para dizer adeus.
      Vou ficar aqui enviando energias positivas, desejo de paz interior e uma passagem sem dor para ele.
      Os animais são muito sensíveis e tenho certeza que ele sabe do seu amor por ele. Ele sabe que fez tudo que estava ao seu alcance para que ele ficasse bem.

      Um forte abraço!

  11. MIRIAM

    ESTOU PASSANDO NOVAMENTE POR ESTE PROCESSO. TIVE QUE SACRIFICAR MEU GATO C 18 ANOS QUE TEVE LEUCEMIA FELINA. AGORA PASSO ISSO C CHICO DE 20 ANOS. ESTOU RELUTANTE MAS ACHO QUE E O MELHOR, MAS NAO CONSIGO .AINDA NAO DESAPEGUEI

    • Fabiana Xavier

      Olá, Miriam!

      Eu também já passei por isso com um gatinho chamado Romeo. Eu o resgatei já adulto mas estava com leucemia em estágio avançado.
      A decisão nunca é fácil e é sempre dolorida, mas a gente precisa pensar no melhor para eles. O quanto ele está sofrendo? As vezes permitir a eutánasia pode ser sim um ato de amor.
      Eu te desejo força, luz e que você consiga sentir saudade e não tristeza.

      Um forte abraço!

Next ArticleHospitais Veterinários gratuitos ou com custo reduzido