Não posso mais ficar com meu cachorro. O que fazer?

A gente vive falando aqui que amigo não se compra e nem se abandona. Mas sabemos que muitas vezes a permanência do bichinho com a família é inviável, ainda que não falte amor por ele. Por exemplo, se a pessoa já não tem condições financeiras de cuidar daquele bicho, quando há um caso de doença grave na família ou simplesmente quando a personalidade do bicho não se encaixa com o dia a dia da família. Muitas vezes, assumir que não tem condições de oferecer o que o animal merece é um verdadeiro ato de amor.

Nesses casos, o que fazer?

A gente recebe muitos emails aqui no Amigo, de pessoas querendo doar seu pet à um abrigo. E nossa resposta é sempre a mesma: os abrigos estão todos lotados, pois o número de abandono é muito maior do que o de adoções! Portanto, cabe ao responsável pelo bichinho conseguir uma nova família que possa oferecer todo o afeto e cuidados que ele precisa. Isso se chama doação responsável, e não é algo difícil de ser feito. Por isso, hoje vamos contar a história da Marianna, que passou por uma situação complicada e precisou doar seu cãozinho Marshall.

A história do cãozinho Marshall

A Marianna é casada, mora em uma casa com um quintal enorme e tem dois filhos pequenos. Um dia, ela e o marido decidiram que era o momento de ter um cachorrinho para fazer parte da família. O escolhido foi Marshall, um cãozinho lindo, inteligente e com muita energia para brincar com as crianças. Tinha tudo para dar certo, não é?

Mas não deu.

Em pouco tempo, Marshall cresceu e ficou muito forte, a ponto de machucar as crianças com suas brincadeiras. Nessa mesma época a mãe da Marianna ficou com a saúde muito debilitada e, com a família toda se dividindo entre trabalho e hospital, não sobrou quem desse a atenção necessária ao cãozinho.

“A essa altura, nós já ficamos sabendo que minha mãe estava com câncer e o Marshall não era mais a nossa prioridade. O Marshall precisava de mais atenção do que podíamos dispor. Nós achamos que o adestrador resolveria tudo sozinho, mas não é assim que funciona.”

Sem passeios e sem uma companhia que o ajudasse a gastar toda a energia, Marshall passou a brincar com os objetos da casa e colocar sua própria saúde em risco, destruindo objetos como os fios de iluminação do jardim e a rede de proteção da piscina.

“Uma dica que eu gostaria de compartilhar é que, quando você for pegar um cachorro, você deve se informar muito pra ver se o perfil comportamental dele é compatível com o estilo de vida que você leva.  Se informar se o cachorro tem muita energia e saber que você vai ter que levar ele pra passear e gastar energia todo dia.  Os cachorros precisam de alguma coisa que o ajude extravasar a energia que eles têm. Uma coisa que o adestrador falou foi que os cães não fazem diferenciação entre o que é brinquedo e o que é objeto que ele não pode destruir.”

A dor da decisão

marshall

Marshall ainda filhote, no dia que chegou em casa.

Nessa fase, seu marido já queria dar o Marshall mas a Mari já estava muito apegada e não deixou, até porque se sentia muito responsável por ele. Eles tentaram se adaptar trocando o cãozinho de lugar, mas pra onde ia, destruía alguma coisa. Então ela concluiu que não seria justo deixar o Marshall ali vivendo uma realidade infeliz, e por fim admitiu que ele merecia uma realidade melhor. Então eles tiveram a ideia de divulgar no Facebook, mas de um jeito muito especial.

“A gente queria que ele ficasse com alguém que tivesse bem essa noção de que ele era um filhote, que precisava de bastante atenção. Então tinha que ser alguém que entendesse e gostasse muito de cachorro, pois não queríamos que ele saísse da nossa casa para se decepcionar com outra família. E o nosso anúncio no Facebook foi exatamente assim, falamos tudo o que ele destruiu, contamos sobre exatamente como ele era, não escondemos nada! E para nossa surpresa, na mesma noite que postamos o anúncio, tinham quinze pessoas querendo adotar.”

O final feliz

O Marshall saiu na manhã seguinte, adotado por um rapaz que pratica triatlo com a esposa e tem mais cinco cachorros em casa. Ele ficou super feliz com o Marshall porque iria ter uma companhia pra praticar corridas e caminhadas, além de ter uma casa com quintal grande. Ele é fotógrafo de natureza e hoje leva o Marshall a vários passeios que antes ele não podia fazer.

“Levá-lo para um canil nunca foi uma opção para nós. O amávamos demais para isso!”

O novo dono falou que eles poderiam visitá-lo quando quisessem e ainda mandou fotos do primeiro dia dele na casa nova. Até hoje, as famílias trocam e-mails para saber como Marshall está.

“Quando o Marshall saiu eu fiquei muito triste, chorei bastante, mas também me alegrou saber que ele estava bem, feliz e que estava recebendo a atenção e o amor que eu não pude dar.”

6 Dicas para uma doação responsável:

  1. Primeiro, tenha certeza de que você já tentou todas as alternativas para o bem-estar do bichinho. Um espaço apropriado, atenção suficiente, ajuda de um adestrador, entre outros.
  2. Não leve o animal a um abrigo, pois provavelmente ele passará o resto da vida lá – principalmente se for adulto. O número de abandonos ainda é muito maior do que o de adoções. Além disso, por mais que os protetores se esforcem ao máximo, a vida nos abrigos costuma ser sofrida, em espaços apertados, brigas ou até mesmo escassez de comida.
  3. Divulgue o bicho nas redes sociais e em sites de adoção, como o Amigo Não se Compra.
  4. Procure uma família que goste de animais e que saiba cuidar. Neste post damos dicas para você encontrar uma família incrível.
  5. Ao divulgar, seja sincero quanto à personalidade e eventuais cuidados especiais de que o animal necessita, como nessa história da Marianna que contamos acima.
  6. Se possível, doe o bicho já castrado; assim você garante que não haverá ninhadas de filhotinhos precisando de um lar. Além disso, a castração ajuda a evitar comportamentos indesejados como brigas ou urina para demarcar territórios, o que diminui as chances do próprio bicho ser abandonado pela nova família.

Quem ama cuida, e doar muitas vezes pode ser um ato de amor!

Espero que tenham gostado do post de hoje. Semana que vem a gente volta com mais dicas e cuidados pra você, até lá!

 Banner Amigo adotar

Leave a Reply

27 Comentários

  1. Patrícia Barcelos

    É uma pena que, na prática, as pessoas na verdade são bastante intolerantes com quem precisa doar seu animalzinho. Passei por uma experiência terrível. Precisava (e continuo precisando) encontrar uma outra família para minha cadelinha, pois mudei para um apartamento que é muito pequeno, fico fora o dia todo, só chego em casa às 23h e minha cadela está há quase um ano sofrendo muito com essa rotina. Fiz um post num grupo no Face pedindo ajuda para encontrar um novo lar para a Bia e quase fui linchada virtualmente. Um monte de juízes da vida alheia, que sequer me conhecem, mas se acharam no direito de me criticar, ridicularizar e ofender publicamente. Se eu fosse uma irresponsável sem coração, teria a abandonado. Mas, não o fiz nem vou fazer, apesar de ver o quanto ela está triste. Mas, as pessoas preferem criticar os outros do que praticar a empatia e tentar ajudar.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Patrícia!

      Algumas pessoas são muito cruéis, sim. A vida não é uma eterna planície e a gente se planeja mas no caminho algumas coisas acontecem e somos obrigados a refazer a rota. Irresponsáveis são os que param o carro na estrada e deixam o cachorro a própria sorte. Nesses casos sim, somos totalmente contra.

      Agora, você está sendo responsável. Viu que não há mais condições e está em busca de um novo lar. Imagino que também esteja sofrendo com a situação, mas amar em alguns casos é também saber se despedir.

      Você já cadastrou a Bia no nosso site? http://www.amigonaosecompra.com.br.
      Espero que você consiga pais maravilhosos para a Bia! Vamos ficar na torcida para que tudo fique bem para vocês.

      Um abraço!

    • ALINE

      NEM ME FALE. ESTOU EM UMA SITUÇÃO IGUAL , NAO PUBLIQUEI AINDA PARA DOAÇÃO , MAS JA SEI COMO SEREI CRITICADA E ISSO ME LEVARIA AINDA MAIS A ACHAR Q ESTOU FAZENDO A COISA ERRADA. MAS ESTA MUITO DIFICIL ELES SEM ESPACO E EU SEM TEMPO.

      • Fabiana Xavier

        Olá, Aline!

        Tenho certeza que algumas pessoas vão falar que você está abandonando seus cachorros. Mas encontrar um novo lar é bem diferente de abandono. Muitas vezes planejamos coisas e depois temos que refazer todo o planejado pois situações diversas aconteceram.
        Faça o que seu coração pedir. Faça o que for melhor para seus peludos. Se tiver que doá-los, encontre uma família bacana que você confie e tenha certeza que eles serão tão amados lá quanto foram com você.

        Um abraço!

    • Gleine peteira

      Estou precisando muito que me ajudem sou apaixonada pelos meus cães mas está ficando cada dia mais difícil mantê Los eles brigam muito e a minha falta de tempo está ficando quase impossível cuidar deles gostaria de conseguir pessoas que cuidassem deles com carinho eles são muito amáveis mas sei que estão sofrendo muito por ficarem sozinhos se tiver alguém que puder me ajudar eles são mestiços labrador por favor se alguém realmente ama cachorros me ajude está cada dia mais complicado ficar com eles meus vizinhos estão reclamando muito

  2. Leandro Ferreira

    Boa Tarde Amigos,
    Estou aqui para pergunta a vcs se alguém se interessa no meu cachorro PIPOCA ele estar com Gastroenterite, não tenho mais condições mais de cuida dede será que alguém se interessa por ele, so entra em contato comigo 21 995067574 ou 989208394
    Sou Do Rio de Janeiro – Pilares

  3. Gente minha cachorra deu cria e aqui onde moro n pode ter mas que 2 cachorro preciso de ajuda o patrão tá até achado ruim já caso se interessa são 4 cachorros 019 9 99634413. Me ajudem

  4. alexandre arcanjo

    Tenho 09 cachorros, não consigo mais dar conta deles, são pulgas, ração cara etc… Alguém tem uma solução?

  5. Daniela

    Não tenho condições de oferecer uma vida que meu cachorro merece. Quero muito ficar com ele mas não posso, vou ter que doar para alguma familia que posso cuidar bem dele. Pois me sinto muito mal em não poder dar uma vida boa para meu cãozinho.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Daniela!

      Antes de doar seu peludo, converse com a futura família para se certificar que eles realmente têm condições de ficar com o cachorro e que não irão devolver.
      Deixo também o link do nosso site caso você queira colocar seu peludo para adoção: http://www.amigonaosecompra.com.br/
      Boa sorte para vocês.

      Um abraço!

  6. Patricia

    Boa tarde venho por este meio pedir ajuda tenho uma cadela rafeira ( sem raca) em casa mas neste monento não posso ter ela em casa porque minha filha faz alergia ao pelo e fica constantemente doente. Queria arranjar um lar numa família para quem a quisses pois o meu último caso é levar para o canil coisa que não gostava que ela fosse. A cadela vai fazer 2 anos em maio estrutura média, adora brincar e tem vacinação em dia tem xipe e está registada. Agradeço quem souber de alguém que queira ficar com ela que me diga . O meu endereço patriciadias86@hotmail.com

    • Fabiana Xavier

      Olá, Patricia!

      Por favor a cadastre em nosso site: http://www.amigonaosecompra.com.br.
      Mais de 3 mil peludos já foram adotados através do nosso site, tenho certeza que seu peludo também vai encontrar um lar bem bacana.
      Vamos ficar na torcida.

      Um abraço!

  7. Giovana

    Boa tarde, eu gostei muito do post e queria perguntar se tem problema visitar o pet depois de uma doação responsável. Eu estou precisando doar minhas duas gatinhas porque mei irmão desenvolveu uma alergia muito forte, mas eu gostaria de continuar as vendo mesmo que meu coração fique em pedacinhos na hora de ir. Elas vão sentir falta? Vai atrapalhar a adaptação?

    • Fabiana Xavier

      Olá, Giovana!

      Consultamos a médica veterinária, Drª Cecília Amélia Borges de Almeida CRMVMG 8639, que nos deu a seguinte resposta: “Quando o gato é transferido para um ambiente novo ele demora um tempo até se adaptar, costuma ficar escondido e assustado mas com o tempo começa a explorar o novo lar e vai se adaptando. Se houver algum objeto ou pessoa que ele já esteja familiarizado ajuda muito pois trás mais confiança. Então pode e deve fazer visitas.”
      Espero ter ajudado!

      Um abraço! :)

  8. jennifer marques

    Tenho um yorkshire não posso cuidar dele ele sofreu um acidente caiu do terceiro andar mas ele está andando comendo fazendo todas as suas necessidades mas eu já gastei muito com veterinário e ainda tem mais para se gastar ele estava a venda mas infelizmente aconteceu isso com ele então estou procurando uma pessoa que possa cuidar dele pois eu não posso

    • Fabiana Xavier

      Olá, Jennifer!

      Por favor o cadastre em nosso site: http://www.amigonaosecompra.com.br.
      Mais de 3 mil peludos já foram adotados através do nosso site, tenho certeza que seu peludo também vai encontrar um lar bem bacana. Não esqueça de ser sincera na descrição, informando os motivos da doação. Isso é importante pois evita devolução e contatos frustantes.

      Um abraço!

  9. Anônimo

    Pois é estou com dois aqui que nunca se enquadraram, agora ficam em um corredor escuro com muros de 4 metros de altura porque não deixavam ninguém dormir latindo incessantemente na frente da casa, onde tiveram que ser removidos, só que ninguém quer esses cachorros muito menos eu.Eram do meu pai que já morreu. Alguém se habilita a adotar ao menos um deles?
    Sou de porto alegre.
    Quem adotar, realmente estará salvando a vida deles, eu cansei.

  10. Adriana

    Gente, que alívio ler esse post. Há três anos me sinto culpada e indigna de criar um cãozinho por que em 2014 eu infelizmente tive que doar a minha cadelinha.
    Ela é uma pastor belga malinois, ganhei de um grande amigo em um momento muito difícil, eu morava com o meu pai em uma casa grande com um quintal enorme e meu pai viajava muito, ficava meses fora, a Jully foi uma excelente companhia pra mim, mas meu pai decidiu que devíamos nos mudar para um apartamento que também é da nossa família, pois não fazia sentido nenhum duas pessoas morando numa casa tão grande e uma delas passando a maior parte do tempo fora. Depois da mudança infelizmente ficou muito difícil manter a Jully, não havia espaço pra ela correr, não havia um lugar apropriado pra ela fazer as necessidades dela, eu ficava o dia todo fora por causa do trabalho e quando eu chegava ela havia destruído tudo o que via pela frente, eu tinha que comprar uma cama nova pra ela toda semana que ela simplesmente rasgava todas, eu já estava com ela há dois anos e ela nunca havia feito isso, e como se não bastasse, meu pai ficou muito doente, foi diagnosticado com insuficiência renal e assim meu tempo ficou mais escasso ainda, eu tentei de tudo, tentei fingir que tava tudo bem, mas não estava. Depois de quase um ano pensando muito, eu resolvi que eu não poderia mais mantê-la naquela situação, entrei em contato com um conhecido meu que eu sabia que gostava de cachorro, sempre teve cães muito bem cuidados e perguntei se ele poderia adotar minha cachorra e expliquei o porque, ele não pensou duas vezes, aceitou na mesma hora, eu ainda enrolei um pouco pra entregar por que ele aceitou rápido demais rs rs uma semana depois, eu fui leva-la. Foi uma cena muito triste, mas embora me sentisse horrível com aquilo, eu sabia que era o melhor pra ela. Ela ainda está com ele e está muito bem, eu me casei e moro numa casa espaçosa e com quintal novamente, até pensei em pedir de volta, mas eu não poderia fazer isso, ela está há muito mais tempo com ele do que ficou comigo e sofreria novamente. É isso gente.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Adriana!

      Obrigada pelo seu depoimento tão sincero! Muitas pessoas passam por situações como a sua e a forma como lidou com isso, ainda que com dor, foi sem dúvida um ato de amor com à chorrinha. Você fez o certo, infelizmente passamos por situações inesperadas e temos que repensar algumas atitudes. Foi o que você fez: buscou a responsabilidade que tinha para si, encontrou um novo lar para ela e sabe que ela está feliz.
      Não se culpe se não deu certo. Não deu certo naquele momento, mas hoje pode dar. Eu indico pra você, oferecer um lar temporário para um outro cãozinho. Assim já sabe que vai ficar com ele por um período determinado até que ele encontre um lar definitivo. Um animal muda muito a nossa rotina, traz gastos e novos sentimentos. Acho que um lar temporário vai te ajudar a decidir se já esta preparada ou não para ter um novo peludo definitivamente. O que acha?
      Parabéns por sua atitude tão nobre de reconhecer e buscar novas soluções! <3
      Um abraço!

  11. Kely

    Tenho um cachorrinho yasa, inteligente , esperto, tem 6 anos quase. Comprei ele com mês de vida, nenhum problema de saúde, me mudei para apartamento e com novas mudanças da adm do prédio não posso mantê-lo . Dessa forma preciso doá-lo. Se alguém tiver interesse, segue meu e-mail . Abraço, ótimo dia !
    Kellysindeaux@yahoo.com.br

  12. Kailaine

    Eu estou desesperada, minha mãe pegou primeiro minha cachorra Pituka em frente á um mercado no começo de 2016 fiquei muitos feliz pois eu sempre quiz ter uma cachorra <3 Agora no começo de 2017 ela pegou outro cãozinho chamado Marley o nome que nós demos a eles dois ano passado foi o melhor ano da minha vida e esse estava começando a ser por que eu me identifiquei com o cãozinho é come se agente tivesse uma ligação ele e minha cachorra eram meus melhor amigo só que ele era muito bagunceiro ele rasgou o forro debaixo da cama da minha mãe rasgou o forro debaixo do sofá (novo) ele era muito energético e eu sempre estive a desposição mais minha mãe nunca falou q ia dar ele por isso Ok mais ele começou a defecar de mais ele estava com quatro meses Faz um mês que minha mãe deu ele e começou a sair verme e meu irmão n queria catar, eu não catava pq eu ja fazia as coisas de casa aí minha mãe deu ele esse último mês está sendo o pior mês da minha viida sinto uma dor profunda no peito eu escrevi pra ela que ia limpar tudo direitinho mas ela n respondeu ele era meu melhor amigo e ngm entende a ligação que eu tinha com ele tres dias depois do meu aniversário levaram ele enquanto eu estava na aula todo dia choro dói muito a saudade está grande de mais sinto que vou ficar louca n consigo viver sem ele por favor me ajudar :'(

Next ArticleMitos e verdades sobre a sílica gel