Por mais de cem anos Pit Bulls foram conhecidos como excelentes babás nos EUA

Por incrível que pareça, durante muitos anos os americanos deram aos Pit Bulls o apelido de “o cão-babá”. Por gerações e gerações, se você tivesse filhos e quisesse mantê-los seguros, você procuraria ter um pit bull, a raça mais confiável de todas para adultos e crianças.

O cão-babá é agora tido como vilão por causa de uma mídia que procura cães ferozes para assustar as pessoas; afinal, uma manchete como “LHASA-APSO MORDE HOMEM” não vende jornal. Antes dos pit bulls foram os Rotweillers, antes dos Rotweillers foram os Dobermans e antes destes, os Pastores Alemães. Cada uma delas foi em algum momento considerada uma raça cruel e imprevisível demais para conviver com as pessoas. Todas as vezes, as pessoas pediram leis para bani-los. É tristemente irônico que agora os holofotes estejam voltados para a raça que um dia foi o símbolo dos Estados Unidos e a babysitter nacional deste país.

Em testes de temperamento (algo como quantas vezes seu filho consegue dar cotoveladas no olho do cão antes de ser mordido) de todas as raças, o Golden Retriever foi considerado o mais tolerante. E o segundo mais tolerante foi o Pit Bull. A mandíbula do pit bull não trava, e eles não têm a mordida mais forte entre os cachorros (esse mérito é dos Rottweilers); eles não são naturalmente agressivos contra humanos (na verdade, o pit bull começa a preferir a companhia humana à da sua mãe duas semanas mais cedo que as outras raças) e sentem tanta dor quanto qualquer outra raça (pise por acidente na pata dele que você vai comprovar).

A raça mais tolerante, gentil e paciente é agora retratada como a mais perigosa. Seria até engraçado, se essa reputação não fizesse com que mais de 6 mil deles sejam mortos a cada dia – de longe, o número mais alto de eutanásias sofridos do que qualquer outra raça. Isso é um montão de babás, hein…

As fotos desta reportagem ilustram que, do mais rico ao mais pobre, o pit bull era o cachorro das crianças.

 

 

 


Artigo traduzido do site http://www.ywgrossman.com/photoblog/?p=676

 

Next ArticleSophie: de bebê desprotegida a dona da casa