Socorro: meus cachorros só brigam!

“Pode entrar, o cachorro não morde! Ele é muito bonzinho!” Quem nunca ouviu essa frase?

Bonzinho para os responsáveis e até com a visita, mas com os irmãos caninos… “Ah, tudo tem limites né?” (pensamento canino)

Vem descobrir como acalmar essas ferinhas! 

Para saber como solucionar o problema, é muito importante entender os motivos que levam os cães a brigarem. Cada causa de estresse entre os cães deve ser tratada de uma forma diferente. Entenda: você não adoça com sal, é isso.

Eles estão se atacando: veja o que fazer

Bem, não há a menor possibilidade de você se meter no meio de latidos e mordidas. Mas também não pode ficar parado e esperar que um mate o outro. Sim, amigos, estou falando no sentido literal da coisa. Alguns cães são tão violentos que podem causar danos fatais ao oponente. Mas isso não significa que ele precise viver sozinho ou que deva ser sacrificado.

Então o que fazer?

  1. Bata com algo que faça um barulho bem alto. A ideia aqui é fazer com que se assustem e parem de brigar. Queremos que cada um vá para um lado para que se acalmem e você possa retomar o controle da situação.
  2. Jogue água em temperatura ambiente. Esguiche água com uma mangueira ou jogue com um balde. Mas nada de água quente, não queremos queimar os cães, apenas que se separem.
  3. Use travesseiros ou almofadas para separar a briga. Mesmo os cães de porte pequeno têm dentes bem afiados e quando estão no meio de uma briga, vão atacar quem entrar na frente. Nesse caso, pegue uma almofada ou travesseiro e com calma coloque entre os cães até conseguir que eles se separem.
  4. Enrole as mãos e os braços com uma toalha grossa para separar a briga. Não indico essa situação para cães de grande porte, pois são extremamente fortes e podem morder seu rosto caso fiquem de pé, por exemplo.

Mas afinal, por que eles brigam?

Assim como nós temos nossa personalidade, os animais também têm. A diferença é que escolhemos com quem queremos conviver, eles não. Nós impomos aos animais que aceitem os outros porque nós queremos e fim. “Ah, mas eu não posso ter mais de um cachorro?” Na maioria dos casos, sim. Mas é preciso entender 2 coisas:

  1. Seu cachorro pode ter um temperamento difícil e nunca aprovar outro animal. Se isso acontecer, o que resta é aceitar o fato e ponto.
  2. Ele pode apenas estar demorando a se acostumar e você poderá ter quantos cachorros quiser, desde que respeite o tempo dele.

Dito isso, vamos continuar: há também a questão do ciúme pelo responsável, brinquedos, comida, se ele passa muito tempo sozinho, se não esta acostumado a socializar, entre outros, mas por hoje vamos focar nesses pontos:

Briga territorial

Esse é um dos principais motivos. Cada um precisa do seu espaço, que inclui: sua cama, seu bebedouro e comedouro e seus brinquedos. E estes devem ser dispostos de lado opostos, dessa forma cada um vai dominar o seu espaço. Entenda, não vão brigar o tempo inteiro, apenas se um passar o lime espacial do outro. O centro pode conter um núcleo comum com mais brinquedos.

Castração

A gente sempre fala que castrar é muito importante pois evita filhotes indesejados e doenças. Mas você sabia que muitas vezes a marcação ou domínio de território tem um agravamento por causa dos hormônios? A castração costuma ajudar também nesses casos. Nesse link você encontra hospitais e clínicas que atendem com preço popular.

Ciúme

Pode ser que seu cachorro tenha ficado com ciúme de um recém-chegado. Quando há uma diferença grande entre uma adoção e outra pode haver ciúme sim. Antes era tudo dele, até agora chega um peludo do nada tomando conta da casa e dos pais dele, “não mesmo!” (pensamento canino)

Sinta o ambiente. Comece com os dois no mesmo local com tempo controlado e vá aumentando o tempo conforme forem se entendendo. Eles não vão partir pra uma briga logo de cara, vai haver uma cheirada aqui e ali que não será bem-vinda, pode ser que um rosne pro outro, latidos e depois ataque. Se você notar que houve um estranhamento, já separe. Deixe que cada um tenha o seu espaço conforme citamos acima. Outra opção é segurar cada um em sua coleira ao fazer as apresentações. Dessa forma, se um avançar, você terá o controle. Basta segurar a coleira e levá-lo para outro canto.

Brinque com os dois e ofereça petiscos sempre que estiverem juntos sem brigar. Essa aproximação costuma ser mais rápida em cães do que entre gatos. Falo por experiência: quando o gato não gosta, ele não gosta. Já com os cães é mais uma questão de acostumar com a presença mesmo. Normalmente são mais sociáveis e aceitam bem e rápido o novo amigo.

Solidão

Cães que passam muito tempo sozinhos tendem a ser mais sensíveis e às vezes inserir um outro animal piora ao invés de melhorar. Normalmente não é o que acontece, tá? O padrão é que sendo dois, um faça companhia para o outro e se tornem #BFF (Best Friends Forever – melhores amigos para sempre). Mas se por ventura isso acontecer, pode seguir os passos do briga territorial e ciúmes. Se encaixam bem nesses casos.

Maus-tratos

Se os seus cachorros ficam acorrentados no quintal, se eles passam frio, excesso de calor, fome, sede, apanham, não fazem passeios ou mesmo são forçados com adestramentos excessivos e violentos, serão animais bravos. Serão animais que vivem brigando e atacam não somente os outros animais da casa, como também as visitas ou mesmo seus resposáveis: você!

Também é muito comum cães que vêm de maus-tratos e episódios de violência das ruas serem mais desconfiados. É bem possível que esses animais tenham dificuldade não só em aceitar novos amigos caninos, mas também carinho humano. Nesses casos, a solução não é mágica e vem com muito carinho, amor, paciência e em alguns casos, adestramento.

Quando chamar um adestrador?

Para que um cachorro deixe de brigar com outro leva tempo. E esse tempo depende de inúmeras variáveis: tempo que você se dedica a entender o que está levando os animais a brigarem, como você lidera o processo de reconciliação entre as partes, entre outros. E mesmo assim em alguns casos sinto dizer que você não vai resover sozinho e terá que buscar ajuda de um profissional, no caso, um adestrador.

Lembrando que mesmo os adestradores trabalham com diversas linhas de treinamento. É possível que você tente um e não resolva, enquanto com outro profissional seu cachorrinho se identifique e obtenham sucesso no adestramento.

Lembrando que o adestramento consiste em exercícios repetitivos com recompensa. Nunca, sob hipópese alguma pode haver violência por parte do profissional. Se isso acontecer, denuncie o “profissional” por maus-tratos.

Por hoje é só, mas semana que vem voltaremos com mais dicas e cuidados para vocês. Até lá! 🐶🐶

*O texto de hoje foi revisado pela Drª Cecília Amélia Borges de Almeida- CRMV MG 8639, médica veterinária atuante em Araçuai/MG.

Banner Amigo adotar

Leave a Reply

Next ArticlePrecisamos falar sobre a Síndrome de Noé