Um é pouco, dois é bom demais! :)

Adoção conjunta. Pouca gente pensa nisso, em adotar mais de um animal. Parece assustador e trabalhoso e a ideia logo é rejeitada. Mas… que tal conhecer as delícias de adotar irmãozinhos?

Os custos básicos de manutenção variam pouco quando se tem um, dois ou três animais. Os brinquedos, caminhas e ítens de higiene podem ser dividos. Só os custos com saúde e alimentação é que aumentarão proporcionalmente ao número de bichos.

Alegria em dose dupla

Além de ter mais “anjos” na sua vida, e dois ou três motivos pra sorrir, você cria uma família. Especialmente no caso de pessoas que passam muito tempo fora de casa, a companhia de outro animal é essencial para o seu peludo não se sentir sozinho. E, tendo um par em casa, principalmente quando filhote, ele se desenvolve mais rápido, torna-se mais seguro, independente e sociável, além de aprender a dividir o espaço, os brinquedos e a comida.

E o trabalho? Bem o trabalho é praticamente o mesmo. Afinal, você pode levar os dois cachorros para passear ao mesmo tempo, dar banho nos dois juntos etc. Se forem gatos, especialmente, a diferença será mínima.

Além disso, existe a questão de “não separar” animais que foram criados juntos. Acontece, muitas vezes, do antigo tutor falecer e a família, não querendo se responsabilizar pelos animais, os deixa em um abrigo. Vou relembrar aqui um caso de que tomei conhecimento alguns anos atrás.

Uma senhorinha cuidou de dois cães, um cocker spaniel e um poodle durante muitos anos. Eles cresceram juntos e viviam como irmãos. Então, sua tutora faleceu. Os cães já eram idosos, tinham mais de sete anos, e a família não quis ficar com eles. Foram para um abrigo e o cocker foi adotado sozinho. Eu conheci o poodle. Sem casa, sem a antiga dona, sem o seu irmão. Completamente deprimido, olhar perdido, sem qualquer vontade de viver. Foi uma das coisas mais tristes que já vi mas, na época, não tinha como trazê-lo pra casa. Se tivesse sido feita uma adoção conjunta, ambos os irmãos poderiam ter recuperado, juntos, o antigo padrão de vida, tendo novamente uma família e o direito à felicidade.

Já pensaram que, em vez de salvar um animal vocês podem salvar dois? Mais do que isso. Já pensaram que podem salvar um animal sem condenar outro?

Especialmente em casos de animais adultos que viveram juntos até irem para um abrigo, a adoção conjunta é absolutamente recomendada. Trata-se de preservar a saúde física e mental dos animais, mantendo alguma estabilidade com relação aos seus antigos padrões de vida.

Então se você tem espaço, tempo e recursos disponíveis, considere a possibilidade de uma adoção conjunta. A felicidade que virá como recompensa, certamente, será em dobro!

Agora que você já sabe que adoção conjunta é tudo de bom, que tal adotar alguns dos nossos amigos? Além dos que estão ilustrando essa matéria, você pode conhecer todos os nossos peludos aqui.

 

Leave a Reply

4 Comentários

  1. Bia

    Concordo, sempre apoiei essa ideia, tanto para cães como para gatos, só não se aplica a hamster, porque são animais territoriais e solitários por natureza, podem até se matar… é interessante pegar logo dois bichinhos da mesma família: mãe + filhote, 2 irmãozinhos ou amigos de criação… Facilita bastante a adaptação dos bichinhos ao novo lar, e geralmente, principalmente no caso de gatos, após algum tempo todo mundo quer adotar outro, daí a adaptação já fica mais trabalhosa… Recomendo com certeza, até porque 2 gatinhos juntos comem menos do que um gato entediado sem nada para fazer durante o dia. No caso de cães, 2 comem melhor que um sozinho, que pode se tornar fresco com a comida e gerar muito prejuizo aos tutores… fica a dica!

  2. Pingback: Amigo Não se CompraDicas para cuidar do seu cão - Amigo Não se Compra

  3. Pingback: Dicas para cuidar do seu cão – cachorroderuasite

  4. Pingback: Pet Brasil: Dicas para cuidar do seu cão

Next ArticleChocolate é bom pra cachorro?