Meu pet morreu, e agora?

É sempre muito difícil quando nossos pequenos se vão. Fica um vazio, uma dor no peito que não cabe explicação. Todo mundo que já perdeu alguém sabe do que estou falando. Com nossos peludos não é diferente, são parte da nossa família, nossas vidas, onde muitas vezes convivemos por mais de 15 anos e sempre nos trazem alegria, um focinho gelado, um abano de rabo, um carinho. Por muitas e muitas vezes temos aquela sensação que são os únicos que nos entendem, nos apoiam e nos consolam sem críticas!

O fato é que não vivem para sempre, ninguém vive! É a única certeza que temos, a morte. Por isso o intervalo precisa valer a pena!

Em um outro momento conversamos aqui sobre como é difícil quando precisamos escolher a eutanásia animal, mas hoje vamos falar sobre o que fazer quando eles partem. Papo difícil, mas necessário.

 

Como enfrentar a perda do seu pet

dog

Não adianta eu listar aqui itens de coisas que você deve fazer para que a dor passe rápido, isso não existe. O momento de luto precisa ser vivido, sentido e superado. Mas aí é que esta a questão, existe um tempo certo para esse processo ser realizado? A resposta é não. Cada pessoa tem um ritmo, seu tempo próprio para passar pelo processo.

 

O que eu indico é: ocupe-se!

Ocupar sua mente é sempre a melhor forma de superar momentos difíceis, no caso específico da perda seu tão amado peludinho, eu tenho umas dicas que podem funcionar ou não, mas acho que vale a pena tentar.

 

Ajude um abrigo ou ONG

Talvez você não esteja preparado para adotar outro pet, mas ocupar seu tempo livre ajudando outros animais que estão em situação de risco ou abandonados vai fazer a todos. Com certeza você vai terminar seu dia com uma sensação melhor do que começou.

 

Ofereça lar temporário

Existem muitos peludinhos que estão em situação de risco e simplesmente não tem para onde ir. Você pode oferecer um lar temporário à esses pequenos. Ele mesmo vai te ajudar a superar sua perda e quando ele conseguir um lar bacana a sensação vai ser de alegria e não tristeza.

 

Converse com alguém sobre seus sentimentos

Amigos são sempre bem-vindos e nessas horas conversar ajuda muito. Com certeza haverá alguém perto de você que vai compreender seu sentimento, não tenha vergonha. Aceite o colo oferecido e chore, relembre coisas boas e momentos únicos que passou com seu peludinho. No final vai se sentir muito melhor.

 

Procure grupos de ajuda

No Facebook existem muitos grupos sobre animais que são super sérios. Procure um grupo bacana, de referência. Todos que ali estão vão saber exatamente o que está passando e vão te ajudar.

 

Adote outro peludinho

Se você achar que seu coração tem espaço imediato para um novo bichinho, adote outro de imediato. Deixe que esse novo ser que esta chegando te console. Se divirta com ele, brinque, se permita, não esquecer do outro, mas guardar tudo o que o outro te deixou de bom. Os bons momentos, as alegrias, se apegue as coisas boas!

 

Sobre o enterro

Eu sei que o tema não é dos mais agradáveis, mas é algo que todos passaremos um dia.

Toda clínica oferece cremação, todo o processo é por parte deles. Algumas tem local próprio mas outras realizam em local terceirizado, então quando acontecer eles marcam uma data para você retirar as cinzas do seu peludinho. Uma coisa que achei bem bacana que vi no vídeo acima, é usar as cinzas misturadas a terra e plantar algo bem bonito.

Pra quem optar pelo enterro tradicional, existe alguns lugares que a própria clínica te indica e viabiliza todo o processo fazendo com que possa realizar visitas e matar a saudade quando quiser.

Não esqueça de pedir seu comprovante do enterro ou cremação na clínica. Quando elas se responsabilizam pelo destino do nosso pet, eles precisam te dar uma nota que comprova o fim levado pelo nosso peludinho. Pergunte antes se a clínica dá esse tipo de nota, caso não dê, desconfie. Infelizmente existem pessoas de má índole em todos os lugares e por mais que você esteja sofrendo, não permita que aquele que sempre te deu tanta alegria termine em um lugar qualquer.

 

Cremação: mais uma possibilidade

imagem_release_500134Este relacionamento entre os pets e seus donos está tão próximo que  provocou uma série de mudanças nos cuidados com os peludinhos e vem transformando também o momento dessa despedida. Patrícia Cavalcante, gerente comercial do Pet Memorial (um crematório localizado em São Bernardo do Campo, em SP) conta que o número de cerimônias cresceu 30% no último ano. “Quando começamos a oferecer o serviço, eram realizadas cerca de 15 cerimônias por mês. Hoje esse número já está em 120 e queremos que cresça ainda mais”, comenta.

E esse número pode crescer ainda mais. “Muitas famílias ainda resistem por pensarem que será um momento de sofrimento, mas é um momento tranquilizante. Estamos trabalhando para desfazer essa crença e mostrar a importância dessa etapa para a família”, diz Patrícia. O crematório oferece também uma transmissão on-line das cerimônias, destinada aos parentes e amigos dos tutores que não podem comparecer pessoalmente a cerimônia, fazendo com que todos tenham direito à despedida do animal de estimação que fez parte de sua vida.

A psicóloga especialista em luto e consultora do Pet Memorial, Joelma Ruiz, afirma que os velórios são parte importante do processo do luto. “Os velórios promovem espaços reservados para chorar a perda, para compartilhar o sofrimento, possibilitando que o luto seja vivenciado”, diz a especialista.

O programa Mais Você, apresentado por Ana Maria Braga fez uma matéria muito bacana sobre o espaço.

Em sua cidade certamente há também um espaço de cremação. Você pode perguntar ao seu veterinário ou fazer uma busca no Google.

 

Espero que todos os peludinhos tenham uma vida feliz e longa!!

Espero que tenham gostado do nosso post de hoje. Semana que vem a gente volta com mais dicas e cuidados pra vocês, até lá! 😉

 

Banner Amigo ajudar

Leave a Reply to Fabiana Xavier Cancel Reply

3 Comentários

  1. Jão

    Já precisei do serviço da empresa…. infelizmente…. ;-(
    O momento de partida é muito difícil. Eu, que peguei todos meus bichos da rua, tento me consolar me convencendo que pude dar a eles a melhor vida do mundo e que a missão e responsabilidade que assumi, foram cumpridas. Mesmo assim, a saudade aperta 1 segundo após a morte do bichinho. E não passa nunca….
    Boas dicas as que estão no texto.

    • Fabiana Xavier

      João, esse realmente é um dos momentos mais difíceis que passamos na vida, pois sabemos que nunca mais poderemos ver nosso peludinho, abraçar, cheirar ou brincar. Mas temos que entender que esse é o curso da vida, e lembre sempre dos momentos alegres que passaram juntos.
      Eu li em algum lugar o seguinte texto:
      “-Quando você vai à um jardim colher flores, quais são as que colhe primeiro?
      -As mais bonitas, é claro!
      -Por isso eles se vão primeiro, porque lá no céu também querem os anjos mais bonitos”.
      Saudade sim, tristeza não!
      Tenha certeza que tiveram uma vida muito feliz ao seu lado! Só do fato de tê-los acolhido, dado lar, amor e carinho! O que mais podemos querer da vida?
      Obrigada por dividir com a gente seus sentimentos!
      Abraços!

  2. Pingback: Doenças silenciosas e os pets, como identificar?

Next ArticleSaiba tudo sobre areia sanitária para gatos