10 Dicas sobre como apresentar um gato a outro

Dizem que ter um gato é pouco, dois ainda não é o suficiente, três ou mais é maravilhoso! Mas o que muita gente tem dificuldade é na adaptação dos gatinhos.

Hoje vamos dar várias dicas de como realizar o processo de adaptação dos gatos novos aos antigos moradores felinos. Não fique de fora e confira todas as nossas idéias.

É obvio que existe muita diferença entre cães e gatos. Os cães normalmente apresentam um bom humor constante, nada os chateia e estão sempre sorrindo. Já os gatos, eu costumo dizer que tem o temperamento quase humano, exceto pela maldade que só os humanos são capazes.

Os gatos nem sempre querem conversa, as vezes gostam de ficar sozinhos, carinho é algo que apreciam mas não a todo tempo. Por mais que tenhamos feito o processo de domesticação dos pequenos, eles ainda trazem traços fortes de sua natureza primitiva. Uma prova disso é que ainda gostam de caçar individualmente.

No meio de tantas singularidades, como adotar um novo gato? Como fazer com que o gatinho que já esta em casa, dono da situação, seja amigo do recém chegado?

Antes das dicas, quero deixar claro que isso é um processo. Pode levar dias, semanas, até que todos se deem bem. Pode ser até que não briguem mais, mas não sejam amigos. Como aquele colega chato do trabalho, você não fica sem falar, mas não vai ao happy hour com ele, entende?

Eles são muito territorialistas e um novo membro é imediatamente considerado intruso, por isso calma, paciência e amor!

Dica 1- Gato extra, gasto extra

Antes de adotar um novo gato, certifique-se que tem espaço para dois ou mais gatos em casa. Pense nas despesas que um novo felino vai trazer:

  • Aumento da ração;
  • Mais areia (saiba sobre os tipos de areia e quais rendem mais aqui);
  • Mais caixas de areia (veja modelos com funcionalidade aqui);
  • Gasto extra com medicamentos de uso periódicos (anti-pulgas e vermífugos) ou medicamentos eventuais em caso de doença;
  • Gasto com veterinário;
  • Vacinas;
  • Cama e brinquedos para o novo membro.

Se não pode arcar com tudo, pare no primeiro gatinho. É melhor ter um gatinho lindo e fofinho do que dois ou mais em situação complicada. Podendo arcar com todas as despesas, vamos rumo ao novo membro! :)

Dica 2- Gatos são gatos e vão agir como gatos

gato

Sim, parece tão óbvio mas tem gente que não entende. Não pode agregar um novo membro em casa e achar que seu gatinho vai aceitá-lo assim sem mais ou menos. Não adianta conversar e explicar a situação, ele não vai entender. Imagina só um belo dia você acordar e dar de cara com um estranho na mesa do café?

Por serem tão territorialistas, a primeira coisa que provavelmente farão é negar o novo futuro amigo.

Será preciso que toda a família queira um novo gatinho e que todos tenham empenho na adaptação. Eles se adaptarão e serão grandes amigos no futuro, acredite.

Dica 3- Um cômodo para cada gato

A princípio, deixe os gatinhos em cômodos separados. Não mexa com o gatinho mais antigo, deixe as coisas dele onde sempre estiveram.

Coloque a caixa de areia, cama,  água e comida do novo amigo em um lugar separado. Mas não o abandone nesse cômodo, vá visitá-lo a todo momento, faça carinho, brinque. Deixe que ele perceba que essa é sua nova casa. Eles vão se adaptando aos poucos.

Isso é claro, caso tenha espaço. Isso é uma das soluções, caso não possa separá-los, vá tentando as outras.

Dica 4- Olfato felino

Os gatos se adaptarão melhor se se acostumarem com o cheiro um do outro. Faça o seguinte, peque uma flanela limpa ou um par de meias, passe no gatinho recém chegado e deixe com o gatinho “antigo” da casa. Coloque a flanela em um local que ele goste de dormir, assim, ele vai se acostumando com o cheiro do novo gatinho. Faça o mesmo com o outro gato.

Depois de uns três dias, o deixe uns instantes dentro da caixa de transporte para que o gatinho anfitrião possa cheirá-lo. De acordo com o clima, abra a caixa e deixe que o gatinho saia. Mesmo se houve um fuzz, não brigue com ninguém, não eleve a voz. Faça carinho e converse com ele. Se houver menção de uma briga, recolha o gatinho e os separe. Em outro momento tente novamente.

Dica 5- Brinquedos e alimentos

O momento da brincadeira e da alimentação formam dois dos melhores momentos para fazer a adaptação dos pequenos.

Brinque com os dois, faça carinho igualmente, ofereça petisco cada vez que os dois aceitarem as brincadeiras de forma natural. Ter um arranhador, ratinhos e bolinhas ajuda muito.

Dê um alimento bem gostoso quando os dois estiverem juntos, tente uma comidinha em sachê. A ideia é que associem a presença um do outro com coisas boas, como seu alimento favorito.

O importante é que quando os gatos estiverem juntos você promova situações de prazer para ambos.

Dica 6- Idade e temperamento

cats-at-the-window-1256628

Alguns especialistas vão dizer que a idade interfere e pode influenciar na adaptação.

Exemplo: se você tem um gatinho idoso e adotar um bebê pode ser difícil para o membro da casa encarar um bebê, pode até mesmo não ter paciência para as brincadeiras. Outros discordam dessa informação.

Se você tem um gatinho muito calmo e amoroso e adotar um muito arisco, a adaptação pode demorar um pouco mais, mas nada que o tempo não resolva.

Dica 7- Saúde

Antes de levar qualquer gatinho para casa e juntá-lo ao seu, certifique-se que sua saúde esta bem. Algumas doenças são contagiosas entre gatos como esporotricose, FIV/FELV ou rinotraqueíte.

Se você optar por adotar em algum abrigo ou ONG, provavelmente estarão bem, mas peça ao responsável o comprovante com as vacinas. Se pegar na rua, antes de levar para casa, leve ao veterinário por garantia.

Eu mesma ia adotar um gatinho e quando o levei ao veterinário, após exames, foi diagnosticado com FELV (leucemia felina) em estado muito avançado.

Dica 8- Baunilha

Algumas pessoas relataram que após inúmeras tentativas de adaptação sem sucesso, pingar umas gotinhas de essência de baunilha, dessas que usamos em bolos, resolveu.

Basta pingar umas duas gotinhas no pescoço de cada um, assim eles vão ficar com o mesmo cheiro, facilitando a adaptação.

Dica 9- Medicamentos naturais

Existe hoje no mercado alguns florais que são de composições homeopáticas naturais que auxiliam na adaptação. Basta pingar umas gotinhas na água e aguardar o resultado.

Outra coisa que pode ajudar muito é um feromônio natural chamado Feliway. Você coloca o difusor no ambiente mais frequentado pelos gatinhos e vão se acalmando, se acostumando com o cheiro um do outro. O feliway pode ser usado até antes mesmo da chegada do novo membro, ele serve como algo que já vai preparando o ambiente, “pré-acalmando” os ânimos.

Dica 10- Informações gerais

  • Você não precisa seguir todos esses passos, nem essa ordem, talvez eles se adaptem na primeira tentativa;
  • Essas dicas servem não só para os gatinhos recém chegados como para os gatinhos que vivem juntos há muito tempo e ainda não se dão bem;
  • Se você tentar e não der certo, talvez seja porque não tentou o suficiente. Comece tudo de novo e no fim, se realmente nada funcionar, procure um veterinário. Ele pode passar alguma medicação específica que ajude no processo;
  • Não favoreça o confronto, tenha brinquedos, cama, bebedouro, comedouro tudo em quantidade suficiente para todos os gatos;
  • Não desista. A adaptação pode levar um certo tempo, mas isso não significa que você deve desistir. Conheço vários casos onde a amizade entre gatos parecia impossível e hoje um não vive sem o outro.

A adoção é algo muito sério. Você não pode prometer um lar quentinho, repleto de petisco, brinquedos, amor, carinho e de repente devolver o gatinho para um abrigo frio e impessoal, ou pior, jogar na rua como se fosse algo descartável.

A adaptação pode demorar porque normalmente esses gatinhos já sofreram muito. Alguns foram torturados, ficaram feridos, passaram fome, sede, viveram pelas ruas, é muito difícil para eles confiarem nas pessoas e em outros gatos.

E aí, gostaram do post de hoje?

Deixem suas dúvidas e opinião nos comentários!

Semana que vem a gente volta com mais dicas e cuidados para vocês, até lá! 🐱

 

 

 

Leave a Reply

54 Comentários

  1. Amalia

    Muito boas as dicas. Vou tentar a essência de baunilha, pois já fiz todo o resto e os meus atos continuam incompatíveis. Mais exatamente, a gata de 4 anos não aceita o recém-chegado de 3 meses e o ataca ferozmente. Não podem ficar no mesmo espaço, pois ela o caça, literalmente, e o estraçalha.

    • Olá, Amalia!

      Essa semana que vi em algum programa de Tv, um espcialista em gatos ajudando uma moça com 3 gatos.
      A mais nova chegou batendo em todo mundo, os outros dois não brigavam e agora só tapa, enfim, acho que os conselhos dele podem te ajudar:
      * Espalhar potes de água e comida => assim não haverá briga de território com a comida e água.
      * Deixar as caixas de areia => eles demarcam o território pelo cheiro do xixi e cocô, então, deixando as caixas separadas os atritos podem cessar.
      * Colocar prateleiras nas paredes => dessa forma eles podem estar no mesmo ambiente mas sem brigar pelo território.

      Teste a baunilha e faça o que aprendi essa semana. Depois nos conte como foi.

      Um abraço! :)

  2. Cristina

    -
    -38

    Eu tenho uma gata com 6 anos que ficava muito sozinha e que não sai pra rua (eu resgatei da rua quando bebê) , aí o veterinário recomendou adotar uma gatinha filhote pra ser amiga dele e ter companhia. Pior coisa que eu fiz. A nova gata tem 2 meses e é uma peste infernal. Ela não pode ficar sozinha que mia alto o tempo todo , quer ficar colada na minha pele o tempo todo . Não me deixa em paz um segundo. A gata mais velha tá brava até comigo e não quer entrar em casa, só fica no quintal. Elas não se dão bem. E essa nova gata fica brincando de me morder e eu odeio isso . Eu não gostei dela, meu marido não gostou dela e minha gata não gostou dela. Estou com vontade de devolvê-la pra antiga dona, porque é uma gata insuportável e infernizante. Meu marido acha que devo esperar, pois é só uma fase . Ele diz que ela vai parar com isso . Eu não posso ir ao banheiro que a gatinha faz escândalo ! Nossa, to muito infeliz. Acho que destruí a harmonia do lar quando adorei essa gata. E não tenho certeza se ela vai ser feliz comigo. Ela parece não perceber que eu To com raiva dela. Ela quer ficar grudada em mim o tempo todo. Vou tentar essa técnica da baunilha pra ver se melhora. Vi varias dicas de separar a gata num quarto só dela até se acostumarem com a presença uma da outra, mas isso é impossível porque quando fecho ela no quarto ela mia como se fosse morrer . E olha que ela não veio da rua , nem de maus tratos . É manhosa mesmo a infeliz . :/ talvez no futuro a gente se dê bem, mas no momento tô morrendo de raiva dela.

    • Bruna

      Como vc é ruim, meu Deus do céu…
      Essa gatinha é um anjo mesmo, por gostar de vc tanto assim a ponto de querer estar na tua presença.
      Bem que dizem…cuidado com os humanos, ELES são TRAIÇOEIROS.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Cristina!

      Percebo no seu relato, uma sucessão de erros ao adotar:
      * Adotou um novo gato de forma implusiva por recomendação do médico veterinário;
      * Não respeitou a idade do gato: quanto mais novo, mais ativo é;
      * Animais têm personalidade e isso precisa ser respeitado;
      * Não houve uma devida aproximação entre os gatos (você pode fazer isso até mesmo com o mais novo na caixa de transporte;
      * O filhote sempre brinca de morder sendo gato ou cachorro;
      * Não parece que você tenha conversado com seu marido antes de adotar;
      * Vocês estão infelizes e não era para ser assim.
      Eu gostaria de ajudar com uma aproximação, mas talvez conseguir um novo lar para o gatinho seja melhor para todos. Isso não é vergonhoso. O que não pode é abandonar na rua ou devolver para o protetor. Agora ela está sob sua responsabilidade, isso significa que deve ser você a pessoa a econtrar um novo lar para a gatinha.
      Pode cadastrá-la em nosso site se quiser: http://www.amigonaosecompra.com.br.
      Desejo de coração que todos sejam felizes, mas se você não está disposta a investir nessa relação, não a piore. Evite causar traumas ao gatinho, consiga um novo lar o quanto antes.
      Um abraço!

    • Fernanda

      Que horror, não pode pensar assim dela, ela tem muito amor por você

    • bruno

      mimizenta ta loco, insuportavel é vc nessas palavras, o gato velho deu graças por ficar longe de vc!

    • Isabella

      Ta loca? Se você “gosta” de gatos, pq chama ela assim? Não deveria ter adotado a filhote tampouco a que já era sua!! Nenhum gato é igual a nenhum. Eles tem personalidade! Infeliz é você!! Espero que não tenha jogado-a a rua e nem devolvido ao dono antigo. Filhotes precisam de atenção.

    • Camila

      Misericórdia, coitada da farinha com vc. Como se já não existissem pessoas más o suficiente nesse mundo. Que pessoa mais desumana. Meu Deus do céu não acredito que eu li isso. O pessoa mais amarga desse mundo. Judiação dos animais perto de vc.

    • Mulher maluca !
      Coitado do gatinho , indefeso .
      Bipolar , por isso que muitos dizem cuidado com os humanos, são perigosos e traiçoeiros .

    • Fabiana Xavier

      Olá, Rapha!

      Ficamos felizes em saber que gostou!

      Um abraço! :)

  3. Pingback: Adotei um animal e me arrependi. O que fazer?

  4. Fernanda

    Tenho uma gata de 2 anos que realmente é chatinha, não gosta de carinho, muito grude e nem muito colo ( nem por isso não forço dar muuuuuuito amor ). Queria muito adotar outra que vive na rua e tem 1 ano ( ela nasceu no quintal de casa por isso sei a idade ) a mãe dela morreu e os irmãos também só que minha gata ( a de dois anos ) não pode ver que já faz aquele barulho que não sei explicar. Vou tentar de tudo pra elas duas se darem bem, obrigada pelas dicas :)

    • Olá, Fernanda!
      Tenho uma gatinha aqui em casa assim, emocionalmente independente, rs. Mas a minha ainda é meio bravinha, amo do mesmo jeito! <3
      Espero mesmo que nossas dicas te ajude, mas saiba que pode levar um tempinho para todos se acostumem, seja paciente. O feliway gatos pode ajudar bastante também.

      Faça parte do nosso grupo secreto no facebook: https://www.facebook.com/groups/amigonaosecompra/, pode ter alguém passando pela mesma situação e trocar figurinhas pode ser bem útil.

      Um abraço!

      • prof.joaosales@hotmail.com

        Temos uma gatinha de um ano. Adotamos mais dois filhotes e, estamos fazendo adaptação a três. Os filhotes são: Maia e Tom, a gatinha antiga chama-se Mel. Cada dia aprendemos mais com eles (ração, caixa de areia, caminha, brinquedos e etc. muito ” FUZZ ..FUZZ, porém, não estão brigando, acho que estamos no caminho certo.

        • Fabiana Xavier

          Olá, Prof João!
          O próprio “fuzzz” já um sinal de que a Mel não está muito feliz com a Maia e o Tom, mas isso é normal no começo sim. Siga as nossas dicas e claro, com amor e carinho. Você vai ver que daqui a pouco todos estarão dormindo juntinhos! ❤

          Faça parte do nosso grupo secreto do Facebook e troque ideias com a nossa turma super do bem: https://www.facebook.com/groups/amigonaosecompra/

          Um abraço!

  5. Sabrina

    Obrigada!
    estávamos mesmo precisando de dicas.
    Tínhamos a Isabella, faz duas semanas, apareceu um gatinho magro e chorão… o chamamos Chorinho .
    Mas a Bella não está como antes, ela nunca foi a gata mais sociável, mas está mais braba, arisca e até comendo menos, parece revoltada com o Chorinho. Ele foi difícil de conquistar, era mto medroso, não confiava na gente, moramos meu filho, marido e a Bella. O Chorinho, a cada dia q passa, se integra mais com a família, só a Bella e o bem estar se todos me ocupam. Vou seguir tuas dicas e vamos vendo como fica.
    Sou Sabrina Ferraz, gaúcha de Porto Alegre.

  6. Luiz Carlos Gonçalves

    Estou em um dilema, tinha 2 gatas a mãe e uma filha, no local que eu trabalho. resgatei elas da rua. Quando resgatei eram 3 a mãe e 2 filhas uma por ser muito arteira levei para minha casa, as outras 2 criei no meu serviço isso já faz mais de 3 anos. Todos foram castradas. Infelizmente esse mês a filha que morava no meu serviço foi envenenada e faleceu, e a mãe ficou sózinha e está muito triste, não se alimenta mais, mia constantemente imagino eu pela falta da gatinha que faleceu. Estou pensando em levar ela pra casa, mas tenho lá a filha dela um outro gato e uma cachorra. Qual seria a melhor opção leva-la pra casa, mas talvez isso não causaria mais um sofrimento pra ela ??? Ou deixar que ela se adapte a ficar sózinha já que eu não posso levar outro gato aonde ele vive, pois como mencionei lá é meu trabalho. Se puder me dar uma dica ficaria grato.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Luiz!

      Não vou mentir para você, um novo gato em casa pode sim gerar uma estranheza no começo. Mas depois tudo se acalma, só vai precisar de atenção, amor e carinho e isso, estou vendo que você tem pra dar.
      Se ela continuar no seu trabalho, pode acontecer a mesma coisa que aconteceu com o outro gatinho. Além de veneno, maus-tratos de algumas pessoas, ou acidentes como atropelamentos.
      Há ainda a possibilidade de você levá-la para sua casa apenas como lar temporário. Lar temporário é quando você fica com um animal por um tempinho até conseguir um adotante definitivo.

      Se precisar de mais dicas, pode contar com a gente! Faça parte do nosso grupo secreto no Facebook: https://www.facebook.com/groups/amigonaosecompra troque mais dicas com pessoas que amam animais como você.

      Um abraço!

      • Luiz Carlos Gonçalves

        Grato pela atenção, ela melhorou bastante já voltou a comer e a brincar, em janeiro estou de férias e vou seguir sua dica de lar temporário, vou levá-la pra casa pra ver as reações de todos. Temporário vai ser só a casa pois eu não dou ela pra ninguém. KKkkkk.

        • Fabiana Xavier

          Que excelente notícia, Luiz! Fiquei muito feliz em saber que ela já esta se sentindo em casa! ❤

          Um abraço!

  7. Fernanda

    Olá!
    Estou fazendo os passos da adaptação. Tenho um macho de 1 ano castrado e adotei uma fêmea de 2 meses (achei na rua). As primeiras etapas da adaptação correram bem, mas agora que soltei os dois e fico supervisionando, parece que o macho quer cruzar…não dá sossego a gatinha. Tenho que reprimir essa ação até ela ficar maior e conseguir se impor?

    • Olá, Fernanda!

      Minha mãe tem um gato macho castrado que também tentava cruzar com uma gatinha que também era castrada. Mas como ela era grande, se defendia e fazia “fuzzz” e ele saia correndo.
      Isso não acontecia sempre, só em determiados perídos.
      Como sua gatinha é muito pequena, um bebe, você pode protegê-la sim. Não esqueça de castrá-la com chegar a idade correta.
      E se o clima complicar, tente um produto chamado “Feliway”. Tem várias versões e amenisa o clima em casa.
      Conheça nosso grupo secreto no Facebook: https://www.facebook.com/groups/amigonaosecompra
      Lá, a gente troca várias ideias legais no grupinho! :)
      Um abraço!

  8. Bárbara

    Olá, eu adorei as dicas e com certeza tentarei por em prática.
    Mas eu tenho uma dúvida séria que está me deixando aflita demais, a ponto até mesmo de atrapalhar meu sono.
    Eu tenho uma gata de temperamento mediano que possui 11 anos. Ela está com câncer de mama, e pode falecer após a cirurgia. Esse ano, perdemos todos os nossos animais por doença/idade, e ela foi a que nos restou. Minha avó tem muito apego pela gata (todos nós temos, mas por trabalharmos, ela fica mais tempo com minha avó) e tememos que a mesma entre em depressão após a morte da gatinha. A gente ainda tem esperança de que aconteça tudo certo após a cirurgia, mas o médico já disse que mesmo ela estando saudável, se aconteceu metástase, não tem muito mais o que fazer. Então decidimos adotar um segundo gatinho, tanto para minha avó, quanto para todos nós, na esperança também de ser companhia para nossa gata caso ocorra tudo certo. Ele é um machinho, bem novo, e eu não sei realmente o que esperar da relação dos dois. Gostaria que me desse as possíveis previsões dessa escolha nossa (que é de toda a família, então todos estão se preparando para a vinda do novo gatinho). Obrigada desde já.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Bárbara!

      Como a sua gatinha já tem 11 anos e vamos pensar positivamente, é possível que ela não tenha muito paciência para toda energia um gatinho filhote cheio de energia.
      Eu indicaria uma adoção de um gatinho adulto e antes de adotar, conversar com o responsável sobre a personalidade do novo gatinho.

      Estaremos sempre aqui caso precise de alguma dica sobre para adaptação deles.

      Um abraço!

  9. Alana Aguida Berti

    Gostei muito do artigo. Foi útil para mim e vou colocar as dicas em prática, pois hj (28/11/17) adotei uma gatinha e já tenho outra, a Aparecida, de 4 anos, que está agressiva com a recém chegada;

    • Fabiana Xavier

      Olá, Alana!

      Ficamos felizes em saber que gostou! Juntamente com as dicas, experimente Feliway, você pode comprar pela internet ou nas pet shops. Ajuda nessa interação com os mais resistentes a novas amizades, rs.

      Um abraço! :)

    • Fabiana Xavier

      Olá, Inêz!

      Ficamos felizes em saber que gostou!

      Um abraço! :)

  10. Giane Peralta

    Tenho uma gata de 1 ano aproximadamente (adotei então não sei a idade certa) que é um doce, muito carinhosa, mas arteira como todo filhote.. quero trazer mais um gatinho pra casa, mas tenho receio do estresse pra minha gata. Ela conviveu com outros gatos antes de eu a adotar, mas tem ficado sozinha há 8 meses…
    Tem uma forma de eu facilitar a aproximação deles? Quero adotar logo antes que minha gata fique mais adulta e rejeite mais outros gatos. Já me disseram que é bom adotar o sexo oposto para que disputem menos por território, é verdade que ajuda ????

  11. Ana

    Adorei uma gatinha(o)não sei oque é ainda de 1 mês e já tenho 3 gatos de 4 a 2 anos. O mais velho é bem paizão para os outros dois mas agora com o novo gatinho os dois mais novos ficam fazendo aquele barulho e nem chegaram perto só fogem do gatinho e o mais velho cheirou o gatinho novo limpou mas começou a dar umas patadinhas e hoje deu uma mordida mas nada muito forte no gatinho não sei pq eles estão fazendo isso já que são muito amorosos só o mais novo de 2anos é um pouco antisocial. Antes os 3 dormiam na minha cama mas agora não vem mais só ficam de longe olhando o gatinho. Não sei se devo esperar pq trouxe o filhote no dia 31 ou devo fazer alguma coisa.

    • Olá, Ana!

      Acho que você já pode ir fazendo uma aproximação entre eles seguindo as dicas do post. Como estão juntos só há 2 dias, pode ficar tranquila, por enquanto, nada fora do normal. Siga as dicas do post, mas tenha paciência. Vai dar tudo certo!

      Um abraço!

      • Ana

        O POST me ajudou muito hoje já estou vendo uma melhora entre a convivência deles apenas o mais novo de 2 anos está um pouco distante ainda mas tenho fé que eles vão se dar bem. Muito obrigado pelas dicas elas foram muito úteis. Achei que o filhote seria mais arrisco mas ele é bem bonzinho isso deve ter ajudado eu peguei ele da rua pq a mãe morreu de parada cardíaca por causa de uma infecção em um machucado acho que por tudo oque ele passou ele é bem bonzinho e saudável. E de novo muito obrigada pode deixar que vou indicar o site para amigos que tem muitos animais e outros que estão atrás de um. Abraço

        • Fabiana Xavier

          Olá, Ana!

          Ficamos muito felizes em saber que ajudamos! <3
          Nosso melhor presente é saber que tem um peludinho feliz com pais amorosos como você!

          Grande abraço!

  12. Erilane

    Vou começar uma adaptação hoje. Gata adulta e provavelmente uma gata bebê. Desejem-me sorte! Vou usar as recomendações sugeridas aqui.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Erilane!

      Como esta sendo a adaptação?

      Um abraço!

  13. Natália Medeiros

    Olá, bom dia gostei muito das dicas, mas eu tinha duas gatas e a um mês a minha mais velha de 11 anos morreu, então resolvi adotar uma filhote para fazer companhia para a minha gata, ela tem 9 anos, sempre foi muito medrosa mas muito carinhosa, já tentei de tudo cada dia que passa a convivencia fica mais difícil, a Frida a novata já tá super adaptada a mim e a casa, agora a Preta não quer comer direito, fica só pelos cantos, não quer usar a areia, tô ficando super preocupada,

  14. Natália

    Olá,
    Eu tenho um gato que eu resgatei da rua há 14 anos. O nome dele é Cisco. Somos muito unidos e ele é muito companheiro. Há dois anos eu me casei e ele se mudou comigo para a minha nova casa. Foi um período de adaptação, mas ele aceitou muito bem a nova casa, a nova rotina e o meu marido. Hoje eles são super amigos também. O Cisco fica o dia todo em casa sozinho e eu percebi que ele começou a miar mais do que o normal nos últimos meses. E ele demonstra uma certa insatisfação quando saímos de casa e, por sua vez, fica muito feliz e nos acompanha em todos os lugares quando estamos em casa. Eu pensei em adotar uma companheirinha para ele, assim, ele tem uma amiguinha e ela também pode estimulá-lo nesta fase da velhice. Ela chegou na nossa casa ontem, trazida pela pessoa que a resgatou. Eu e meu marido fizemos muito carinho nele. Já temos todos os itens pessoais de cada um separados. A gatinha está bem disposta a fazer amizade mas ele a estranhou. Fez o fuzzz como quem diz “este ambiente é meu” e “saia daqui e pronto”. A noite todos passamos bem, casa um em seu ambiente e a gatinha não chorou. Acabei de fazer a troca dos paninhos com o cheiro um do outro. Mas confesso que estou ansiosa com esta situação. O bom sinal é que hoje o Cisco acordou normal, aceitou o carinho meu e do meu marido e não se mostrou ressentido com a presença da gatinha e nem foi se esconder de nós. Apenas não quer papo com ela. Peço ajuda de vocês que já passaram por isso pois espero que a convivência seja a melhor possível aqui em casa.
    Obrigada.

  15. Verginia Freitas

    vou tentar a baunilha nas minhas,elas são irmãs,mas não tem cristo que mantenha elas próximas,só na hora da comida que elas ficam uma perto da outra.
    Obrigada adorei o post

    • Fabiana Xavier

      Olá, Verginia!

      Como foi com a baunilha? Funcinou? Já tentou o Feliway?

      Um abraço!

  16. cassia

    Muito legal esse post…eu já faço quase tudo isso, foi novidade a baunilha e o Feliway q adorei a idéia e vou procurar hj mesmo .Mas o que me levou realmente a comentar foi seu toque sobre a atitude desses humanos que não sabem a responsabilidade que devem ter e é adotar um filho de pêlos ,pois assim que os chamo. Tenho 21 gatos e 7 cachorros . A maioria adotado após vários traumas e consegui adptar todos .Porém to com um no isolamenro inicial e esse creio q será mais difícil ,pois esse já até me arranhou muito forte em todo rosto no início .Mas n desiti ,recolhi após alimenta lo por dois meses externamente (fora do quintal com tela inteiro de minha casa)..enfim ,castrei ,fiz todos exames e logo vou começar a misturá los com os outros 20 gatos . Adorei mesmo tanto as dicas,quanto seu conceito de respeito ,amor e gratidão ao amor incondicional que eles (os animais) nos dão.PARABÉNS!OBRIGADA

  17. Laís Barros

    Amei as dicas!!!
    Queria saber se essas medidas se aplicam na minha situação.
    Tenho 4 gatos adulto(2 de um ano e meio e 2 de 3 anos), meu namorado tem 2 gatos (1 de 10 meses e outro de 8 meses).
    Estamos querendo morar juntos, porém com muito medo dos nossos baby’s não se adaptarem uns aos outros.
    Você tem alguma dica pra essa situação ou é o mesmo “passo a passo?”.
    Obrigada <3

    • Fabiana Xavier

      Olá, Laís!

      É a mesma dica do passo a passo! A adaptação de cada gato tem um tempo, alguns se adaptam mais rápido que outros, é preciso ter paciência e ir com calma. Mas fique tranquila, com amor, tudo dá certo! <3
      Vamos ficar na torcida para que dê tudo certo, inclusive entre você e seu namorado!

      Um abraço!

  18. O meu gato tem 3 anos e nunca aceitou nenhum gato, ele sempre ataca, e parece que ele quer até matar o outro felino mas eu sempre desisto no primeiro dia pela maneira que ele se comporta eu não tenho vontade de continuar a tentar, pois tenho medo que ele machuque de verdade outro gato.

  19. Ana

    Olá! Tenho uma gata de aproximadamente 7 anos, resgatei da rua quando tinha mais ou menos 1 ano, ela é castrada e rainha na casa, não é de muito dengo (não gosta de colo, não deixa pegar, mas quando ela quer ela adora carinho e deita comigo para dormir) mas as vezes penso que ela se sente muito sozinha, pois trabalho o dia todo (e sei que ela dorme o dia todo), moro em apartamento, e tem um gato no meu local de trabalho que cuido dele a mais de 1 ano, mas quando houve a paralisação dos caminhoneiros ele sumiu e reapareceu hj, machucado (creio que briga com outros gatos), aranhões no fucinho, nada de mais, só que eu gostaria muito de levar ele pra casa, mas tenho medo que ela não se acostume e até que fique doente.

    • Fabiana Xavier

      Olá, Ana!

      Um gato que já vive na rua e um gato que vive em casa tem, definitivamente, um ritmo de vida diferentes, mas isso não signica que não possam viver bem.
      E sim, antes de juntá-los o gatinho que está aí no seu trabalho precisa passar por uma consulta médica. É interessante fazer uma análise clínica para descartar e/ou tratar possíveis doenças.
      Vou ficar aqui torcendo para que você possa levá-lo para casa ou se não puder, tente conseguir alguém que possa ficar com ele. Nenhum gato merece viver nas ruas.

      Conte com nossa ajuda na adaptação!

      Um abraço!

  20. SUELENE AIRES FRANCA

    Olá! Post muito bom, parabéns! Estou passando por essa dificuldade. Adotei uma gatinha (Luna), há um ano. Ela deve estar agora com um ano e quatro meses. Como saio de casa de manhã e só volto à noite, passei a achar que ela sofre, se sentindo muito sozinha. Fiquei sabendo que a mãe dela (Rubi) ainda estava esperando por adoção. Trouxe-a para casa, para um “teste”, há duas semanas. Mas as duas brigam muito! Minha gatinha começou a se lamber excessivamente e a brincar menos com seus brinquedos! Temo que seja por stress da vinda da outra gata (mesmo sendo sua mãe)! Ainda não adotei a Rubi, poderia devolvê-la à cuidadora. Mas não fico feliz de dar um lar para ela por 15 dias e depois devolvê-la (a cuidadora é excelente, mas os gatos que esperam adoção ficam fechados em um imóvel, onde ela vai cuidar deles, diariamente)! Talvez para alguns pareça exagero, mas estou me sentindo em uma encruzilhada! Me dêem suas sugestões, por favor!

    • Fabiana Xavier

      Olá, Suelene!

      Eu entendo perfeitamente seu pensamento: juntar mãe e filha não deveria gerar conflitos, afinal, esses são laços únicos e fortes. Mas o que acontece de fato é que os animais apesar de terem sentimentos extremamente parecidos com os nossos, não tem essa ligação de mãe e filho como os humanos.
      Se uma mãe humana fica sem ver seu filho por 1 ano e o reencontra, todos os sentimentos vêm a tona e o amor não muda mesmo com a distância ou tempo. O mesmo não acontece com os animais. Mãe e filho (animal) podem inclusive acasalar. Algo impensável para os humanos.
      Dito isso, eu indicaria que você recomeçasse a aproximação conforme citamos no texto. Tente separar um pouco as duas, mesmo dentro de casa e recomesse a aproximação. Coloque os potinhos de comida, água, cama e caixa de areia, distantes. Assim, você estará delimitando espaços para elas. Depois tente unilá-las novamente. Mas lembre-se, isso pode ser algo de semanas ou meses. É importante compreender e respeitar o temperamento de cada animal.

      Um abraço!

  21. Raquel

    Olá, bom dia!!!
    Sou dona do Miu, um gatinho que já e um senhor. Está por volta dos onze anos. Vivemos em uma casa há 13 anos e agora vamos nos mudar para uma nova. A questão é que nesta nova casa que ainda não moramos (estamos terminando de construir) uma gatinha jovem nos adotou. Ela dorme na casa e as vezes vem outro gato (mais arredio) visita-la (comer a ração que deixamos pra ela. A gata se da muito bem com esse outro gato. O problema é quando eu me mudar, porque meu gato (o Miu) não foi acostumado dentro de casa, sempre foi aventureiro/ noturno. De noite ele sai e de manhã volta pra casa para se alimentar, nem caixa de areia ele tem, pois atrás da minha casa tem um terreno, o qual desconfiamos que é a caixa de areia dele. Tenho medo q ele fuja, porque não está acostumado a ficar trancado e nem a fazer suas necessidades em uma caixa de areia. O q faço para acostuma-lo na casa nova e com os gatos q já vivem lá?

  22. Carol

    Oi gente…adotei minha primeira resgatadinha, a Mel, há 4 anos. Ela chegou mega assustada, com marca de corda no pescoço e pulgas até o canto dos olhos… hoje é um grudinho ronronento…rs
    Com a segunda, a Amora, foi bem parecido…tinha sido resgatada, mas seus filhotes sumiram no processo…aí, no lar temporário, adotou três filhotes e cuidou deles como se fossem dela…quando a pegamos para fazer companhia para a Mel foi uma luta…Mel não sabe conviver bem com outros gatos, sempre foi sozinha, isolada em um quintal minúsculo, amarrada, então só tolera a Amora e o máximo que conseguimos hoje, três anos depois, é que se aproximem quando estão buscando nosso colo em um dia frio…mas nunca dormem juntas.
    Amora ficou tristonha, pois gostava da companhia de outros gatos…e aí, agora, surgiu o Blueberry, abandonado pela antiga tutora com outros dois filhotes, que rapidamente acharam casa. Blue ficou. E eu, coração mole, o adotei.
    Blue é um caso sério…é um docinho, mas não tem noção da força que tem…é enoorme! Dá uns pulos nas nossas pernas que chega a assustar…era um macho “de rua”, tem em torno de um ano e meio… estou educando com spray borrifador, mas ele mia dia e noite, e como moramos em apartamento tenho medo que incomode os vizinhos…como ele está sendo vermifugado ainda não o aproximei delas, então ele está trancado numa mini área de serviço e na cozinha (meu apê é pequeno). Além disso tô com medinho dele tentar “namorar” rs… como foi castrado já adulto, não sei se o comportamento permanece….Quando chegamos do trabalho prendemos as meninas no quarto e soltamos ele para explorar a mini casa rs…mas ele mia com a gente ou sem a gente por perto…miado alto, doído, sabe? A vet já olhou, está sem dor da castração que já está praticamente cicatrizada, foi vermifugado…tem ração, amor e carinho…o que mais eu posso fazer pra ele se acalmar? e como posso fazer as meninas aceitá-lo? Já estão todos trabalhados na baunilha, rs, dei sachê para todos de lados opostos da porta, familiarizei cheiro, cheguei até a aproximar eles com peiteira, mas o Blue é enorme e a Amora é uma mini gata…e a Mel…essa é dureza…
    Algum conselho a mais para harmonizar essa turminha? Não quero ter que doar o Blue, já me apeguei a ele, mas não quero também que as meninas se sintam mal por isso e acabe com a paz no ambiente …

  23. Gleicy

    Oi tenho uma gatinha de 9 anos em casa (muito sistemática,ciumenta,geniosa e que sempre foi filha única só tive um cão na mesma época que ela),e a 1 e 6 cuido de uma no meu trabalho(ela tem por volta de 2anos é calma parece que sempre viveu em casa apesar de nunca ter tido uma,tá acostumada com outros animais principalmente outros gatos) planejava traze-la só nas férias pra ter mais tempo pra junta-las mas me proibiram de cuidar dela lá(ou trazia já ou deixava passar fome lá ) então tive que trazer as presas hoje ,então a de casa da hora que chegamos tenta atacar a outra e as pessoas da casa rosna o tempo todo,tá se escondendo e se isolando estou tentando agradar ela mas já estou toda arranhada mordida e sem o mínimo sucesso ,a que trouxe tá normal tenta se aproximar da outra mas recua diante da reação dela(como eu posso tentar acostumalas minimamente estou preocupada amanhã cedo tenho que ir trabalhar e elas vão ficar sozinhas”não é a melhor situação “E as duas só fazem as necessidades na areia no quintal não sabem usar a caixinha então vou ter que deixar trancadas dentro de casa o dia todo ,so estou em casa entre 17 e5.E a longo prazo como poderia fazer ?

  24. ROSANGELA SOUZA

    Amei as dicas. Muitas já tinha visto, mas a dica da caixa de transporte e da baunilha foram ótimas! Obrigada!!! Rosangela

Next ArticlePor que precisamos dos zoológicos?